Sofrimento, justiça e o conhecimento de Deus

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

[…] pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que vós, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos.

2Co 8:9

No início de seu Pequeno livro para novos teólogos, Kelly Kapic externaliza sua preocupação de que “nos dias atuais muitos de nós temos cultivado – não intencionalmente – o que pode ser chamado de desprendimento teológico”, isto é, uma visão que resulta na separação “entre espiritualidade e teologia, entre vida e pensamento, entre fé e ação” (2014, p. 9), preocupação esta que pode ser encontrada também em O drama da doutrina, por Kevin Vanhoozer, quando o autor chama a atenção para o problema da desconexão entre doutrina e vida como efeito de uma compreensão distorcida da primeira (2016, p. 13).

Para Kapic, tal desconexão ou desprendimento “cria um mal-entendido que afeta negativamente não apenas nossa vida como também nossa teologia, nossas igrejas e até mesmo o mundo em que testemunhamos e servimos” (2014, p. 9). Um dos pressupostos de seu pequeno e ao mesmo tempo precioso livro, em contrapartida a este problema, é o de que a doutrina deve ter uma conexão direta com a vida, como fruto de um amor genuíno por Deus. E esse amor, inevitavelmente, deve nos levar a amar o próximo, especialmente aqueles que sofrem.

Esse é um ponto que ele desenvolve no capítulo Sofrimento, justiça e o conhecimento de Deus. Para Kapic, “conhecer a Deus dá ao conhecedor um interesse sincero pelos que são vulneráveis” (2014, p. 94). Uma vez que Cristo se compadeceu por nós, devemos, também, seguindo as suas pisadas, nos compadecer daqueles que estão ao nosso redor. A sã doutrina previne o teólogo de precisar escolher entre a grandeza e misericórdia divinas; elas caminham juntas:

Como fala de Deus, a teologia fiel conduz o teólogo para fora, para considerar Deus conforme revelado em suas palavras e atos. Assim, a teologia tem de refletir a compaixão e o cuidado de Deus por nós e por nosso próximo. Se quisermos ser fiéis em nosso prosseguimento na teologia, temos de contemplar o valor que Deus dá àqueles que são mais vulneráveis e necessitados […] Mas o que significa conhecer a Deus? O conhecimento bíblico, conforme já discutimos, inclui, mas também vai além da aquisição da informação. É enfático e profundamente relacional. E quando chegamos à questão do conhecimento de Deus, a Bíblia nos lança a fundo no cuidado por aqueles que Ele cuida, a fim de vivermos com uma preocupação concreta pelos pobres, fracos e pelos que sofrem. (2014, p. 92, 93)




Da conexão entre doutrina e vida devemos ser conduzidos a uma compaixão genuína pelos necessitados. Kapic bem recorda o apóstolo Tiago, quando na sua epístola ele nos diz que “a religião pura e imaculada para com nosso Deus e Pai é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se incontaminado do mundo (Tg 1:27). Conhecer e amar a Deus envolve sermos bons despenseiros da misericórdia divina àqueles que sofrem.


REFERÊNCIAS

KAPIC, Kelly M. Pequeno livro para novos teólogos. Trad. Elisabeth Gomes. São Paulo: Cultura Cristã, 2014.

VANHOOZER, Kevin J. O drama da doutrina: uma abordagem canônico-linguística da teologia cristã. Trad. Daniel de Oliveira. São Paulo: Vida Nova, 2016.

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *