fbpx

Anselmo além do argumento ontológico

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrito por Irving Damasceno, estudante do Programa de Tutoria Filosófica 2021

INTRODUÇÃO

Artistas lutam com um problema inerente ao reconhecimento por suas obras: a limitação. Ao atingirem a “fama” com determinada obra, acabam sendo reconhecidos apenas por elas e suas outras obras (tão boas quanto, ou até melhores) acabam sendo menosprezadas. Com filósofos e teólogos isso não é diferente: às vezes um autor é responsável por guinadas em várias linhas de pensamento, mas acaba sendo reconhecido apenas por uma delas. O autor que trataremos nesse artigo é um grande exemplo disso. Autor de várias obras, Anselmo viria a se tornar conhecido (majoritariamente) por uma obra que mais gerou atrito: o Proslogion. Contudo, nosso objetivo ao longo desse trecho, será mostrar que, além do argumento ontológico, Anselmo produziu conteúdos variados – inclusive no próprio Proslogion, que normalmente é reduzido à sua apresentação do argumento da existência divina. Anselmo produziu muito mais, e abençoou a igreja com muito mais do que apenas o uso da lógica para “comprovar” a existência divina.

ANSELMO E O ARGUMENTO ONTOLÓGICO

Santo Anselmo de Cantuária (1033-1109) foi um filósofo-teólogo conhecido (mas não tanto) da Idade Média. Tornou-se monge aos 27 anos e depois viria a se tornar o primeiro arcebispo de Cantuária (após a conquista da normanda da Inglaterra). Grande estudioso, escreveu várias obras, mas uma em especial veio a causar muito conflito ao longo de toda a história da filosofia: o Proslogion. Anselmo já vinha construindo sua argumentação acerca da existência divina desde o Monologion, uma obra anterior, de fato1. Contudo, é na segunda que o argumento toma a sua forma clássica, a forma ontológica (nomeado de Argumento Ontológico por Kant, séculos depois).

Nos capítulos iniciais do livro, Anselmo já expõe a sua argumentação. De forma clara e simples, Stephen Evans resume o argumento dessa forma:

“Mesmo para negar a existência de Deus, o tolo deve ter uma compreensão do conceito de Deus. Deus pelo menos deve existir como uma ideia na mente do tolo. Que ideia é essa? Anselmo diz que Deus é o maior ser possível, “um ser do qual nenhum maior pode ser concebido.” No entanto, Anselmo afirma que, se concebo Deus como o maior ser possível, não devo acreditar que ele existe apenas em minha mente. Obviamente, um ser que existisse na realidade e na minha mente seria maior do que um ser que existe apenas na minha mente. Portanto, dizer que Deus existe apenas em minha mente é dizer que o maior ser possível não é o maior ser possível. Deus deve existir na realidade, e o tolo é um tolo porque a própria ideia de Deus que o tolo deve possuir para negar a existência de Deus mostra que Deus deve existir.”2

Esse argumento não foi algo tão bem recebido mesmo em sua época. Um monge contemporâneo de Anselmo, Gaunilo, escreveu a ele uma contra-argumentação clara e direta, levantando muitos pontos que via como incoerentes da argumentação de Anselmo. O ponto mais famoso da manifestação de Gaunilo é a ideia da “ilha perfeita”. Observe:

“Então, segue a famosa ilustração de Gaunilo, da ilha perdida. Tal ilha é a melhor de todas as ilhas. Suas riquezas e delícias são inestimáveis. Ora, portanto, se o argumento ontológico fosse válido, poderíamos concluir: “Você não pode mais duvidar da existência dessa ilha desconhecida, que é a mais excelente de todas as ilhas, uma vez que você não mais tem dúvida de que ela está em seu entendimento. E uma vez que é mais excelente não tê-la só no entendimento, mas que ela exista no entendimento e na realidade, por isso, ela tem de existir. Pois, se não existir, qualquer terra que realmente exista será mais excelente do que ela; e assim, a ilha já entendida como sendo mais excelente, não será mais excelente”.3

O argumento de Anselmo foi sujeito a muitas outras críticas ao decorrer da filosofia, mas também teve defensores em todas as épocas. Depois de Gaunilo, Aquino, Hume, Kant, Bertrand Russell, Michael Martin e muitos outros rejeitaram a prova. Entretanto, Descartes, Spinoza, Leibniz, Hegel, Whitehead, Hartshorne, Norman Malcolm e Alvin Plantinga aceitaram várias formas dela.4 Mesmo que o argumento possa ser errado, mostrar algum erro provou-se algo difícil ao longo da história. Como é típico dos argumentos filosóficos, cada tentativa de refutar o argumento atraiu seus próprios refutadores.

A EXTENSÃO DO PROSLOGION

Como mostrado, o argumento ontológico inicia a obra do autor e é digno de muitas críticas (ou louvores). Entretanto, nossa defesa é para que vejamos o Proslogion como um todo. A princípio, o texto não é dirigido a não-cristãos secularizados pós-iluminismo. Precisamos entender que a obra foi escrita para leitores cristãos professos. Anselmo redige sua obra em formato de confissões a Deus e, já no começo do texto, declara: “eu creio para que possa entender”. Então, precisamos ver o texto como possuindo um ponto de partida cristão (apesar de Anselmo dizer que dirige sua argumentação “ao tolo que diz ‘não há Deus’” [Sl 14.1]).

Entretanto, a obra segue com uma profundidade teológica muito maior ao longo de sua redação. Ele parte do argumento em prol da existência divina para argumentos direcionados às dúvidas quanto a ontologia desse Deus. Ele trata questionamentos da época (que continuam sendo questionamentos feitos até hoje), como, “como Deus pode ser misericordioso e impassível?” ou “como pode castigar alguns e perdoar a outros?”, à luz das Escrituras, explicando a realidade de quem Deus é.

Então, por mais que discordemos do argumento ontológico do autor, não podemos negar a grandiosidade teológica e piedosa da obra ao longo do texto e como ele levanta algumas das discussões que mencionamos acima e que discutiremos a seguir. 

A princípio, no capítulo 7, Anselmo tenta responder a essa pergunta: “como Deus é onipotente embora muitas coisas lhe sejam impassíveis?”. A resposta de Anselmo é breve, mas sagaz: fazer o mal não é poder, mas impotência – por isso não há “poder para fazer o mal”, mas sim uma “impotência” que faz com que sejamos dominados e façamos o mal.

Muitas vezes lidamos com esses questionamentos. Vemos uma pretensa liberdade que não-cristãos possuem, aparentemente vivendo uma vida sem renúncia, e sentimo-nos tentados a renunciar à vida cristã em prol dessas “alegrias terrenas”. O que Anselmo faz é nos mostrar que o poder fazer o mal (o que não agrada a Deus) não é potência, mas impotência. Fazer aquilo que não nos convém não é poder, mas é fraqueza – afinal, “quanto mais poderoso é neste sentido, tanto mais fortes são contra ele o infortúnio e a perversidade, e tanto mais ele é fraco contra elas. Assim, pois, Senhor nosso Deus, tu és verdadeiramente onipotente, porque nada podes no que é fruto da impotência e nada pode contra ti” 5 .

Um pouco mais adiante, no capítulo 10, Anselmo toca no ponto da justiça. Muito se discute sobre “como um Deus justo pode perdoar alguns e condenar a outros?”. Desde Anselmo essas perguntas já eram feitas e ele abordou-as de uma forma clara e concisa: quando castiga o mau (o pecador) Ele o faz porque é justo – afinal, todos merecemos esse castigo. Contudo, quando Ele perdoa alguns, Ele também é justo – pois a vontade dEle está se conformando com a bondade dEle e não com os merecimentos deles.

Anselmo aqui reitera o monergismo, ao negar qualquer participação nossa na salvação: “Ao perdoares os maus, és justo segundo a tua justiça, e não de acordo com as nossas obras, assim como és misericordioso segundo aquilo que somos, e não segundo aquilo que és”.

ECOS AGOSTINIANOS

O primeiro arcebispo da Cantuária é o autor desse período da Idade Média cujos escritos estão mais próximos de Agostinho7. Frame ressalta sua argumentação acerca da causalidade (Deus como primeira causa), da Trindade e da relação fé e razão como pontos de contato entre a teologia Agostiniana e a Anselmiana. Contudo, talvez um dos pontos mais próximos é a relação conhecimento de Deus e a alegria.

O primeiro arcebispo da Cantuária é o autor desse período da Idade Média cujos escritos estão mais próximos de Agostinho7. Frame ressalta sua argumentação acerca da causalidade (Deus como primeira causa), da Trindade e da relação fé e razão como pontos de contato entre a teologia Agostiniana e a Anselmiana. Contudo, talvez um dos pontos mais próximos é a relação conhecimento de Deus e a alegria. 

Já na finalização do livro, Anselmo roga:

Eu te suplico, Senhor: faz com que eu te conheça, com que eu te ame, a fim de que eu encontre em ti toda a minha alegria. E se neste mundo não posso alcançar a plenitude dessas coisas, que ao menos elas cresçam em mim a cada dia até alcançarem a plenitude. Que neste mundo cada instante me eleve mais ao conhecimento de ti, até chegar o momento de sua plenitude. Que meu amor por ti aumente nesta vida e na outra atinja a plenitude, a fim de que aqui a minha alegria na esperança seja sempre maior, e aí seja plena junto a ti. Senhor, por intermédio de teu Filho nos ordenas, ou, antes, nos aconselhas a que peçamos e prometes que receberemos, a fim de que nosso gozo seja perfeito.8

O teólogo reconhece que, para que sua alegria seja plena, é necessário o conhecimento do Pai. Antes disso, ele manifesta que esse conhecimento de Deus só é possível por uma revelação direta dEle – que se revelou ao longo da história culminando com o envio do Seu Filho amado. E ele então conclui:

Peço-te, Deus veraz: faz com que eu receba, para que a minha alegria seja plena. Que seja este o objeto das meditações de minha alma e das palavras de minha língua. Que seja este o objeto do amor de meu coração e das palavras de minha boca. Que minha alma disso tenha fome, que minha carne disso tenha sede, que minha substância inteira o deseje, até que entre no gozo de seu Senhor, Deus uno e trino, bendito por todos os séculos. Amém.9

CONCLUSÃO

Você pode não concordar com o argumento ontológico, contudo, é inegável a preciosidade da obra de Anselmo. Seu confessionário direto com o Pai vai muito além de uma argumentação acerca de sua existência, e passa a ser uma exposição acerca da natureza revelada do Autor da criação. Anselmo reconhece que Deus é a própria vida, e afirma: “És, pois, a própria vida pela qual vives, a sabedoria pela qual és sábio, a bondade pela qual és bom para com os bons e os maus, e assim por diante com os demais atributos”10. A declaração do filósofo é o reconhecimento de que a existência divina é uma direta correlação com Seus atributos. E que, muito além de compreender a lógica da existência, o cristão deve se debruçar sobre o conhecimento da ontologia divina – conhecer quem Ele é, e não só testificar a sua existência. Para que desse conhecimento prossiga uma mudança de vida, uma metanoia completa. Afinal, você crê que existe um só Deus? Muito bem! Até mesmo os demônios crêem — e tremem! (Tg 2:19 – NVI).


Quer uma curadoria de conteúdo Teológico?
Clique aqui e participe do nosso Canal no Telegram.


NOTAS

1. EVANS, C. Stephen. A history of western philosophy: from the pre-Socratics to Postmodernism. 1. Ed. Downers Grove : InterVarsity Press, 2018, p.156-157.

2. Ibid., p. 157-158.

3. CLARK, Gordon Haddon. De Tales a Dewey. Tradução: Wadislau Gomes. 1. Ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2012, p. 220.

4. FRAME, John M. A history of western philosophy and theology. 1. Ed. Nova Jersey: P&R Publishing, 2015, p. 137.

5. ANSELMO de Cantuária, Santo. Proslógio. Tradução: Sérgio de Carvalho Pachá. Porto Alegre: Concreta, 2016. Kindle Edition, LOC 892.

6. Ibid., LOC 932.

7. FRAME op. cit., p.128-129.

8. ANSELMO op. cit., LOC 1125.

9. Ibid, LOC 1139.

10. Ibid, LOC  957.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGOSTINHO, Santo. Patrística – Confissões – Vol. 10. Tradução: Maria Luiza Jardim Amarante. 1. Ed. São Paulo: Paulus Editora, 1997.

ANSELMO de Cantuária, Santo. Proslogio. Tradução: Sérgio de Carvalho Pachá. Porto Alegre: Concreta, 2016. Kindle Edition.

AUDI, Robert. The Cambridge dictionary of philosophy. 3. Ed. Nova Iorque: Cambridge University Press, 2015. 

CLARK, Gordon Haddon. De Tales a Dewey. Tradução: Wadislau Gomes. 1. Ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2012. 

EVANS, C. Stephen. A history of western philosophy: from the pre-Socratics to Postmodernism. 1. Ed. Downers Grove : InterVarsity Press, 2018.

FRAME, John M. A history of western philosophy and theology. 1. Ed. Nova Jersey: P&R Publishing, 2015.

KENNY, Anthony. Uma nova história da filosofia ocidental – Volume 2: Filosofia medieval. Tradução: Carlos Alberto Bárbaro. 2. Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.