fbpx

Apologética e o problema do mal

Escrito por Janice Schneider Mesquita, estudante do Programa de Tutoria Essencial 2023


Apologética cristã é a defesa da fé e da cosmovisão cristã diante das filosofias de vida contrárias. O cristão é instado biblicamente a estar preparado para responder a todo aquele que pedir a razão da esperança que possui em seu coração (I Pe 3:15). Certamente, dentre todas as objeções arguidas em relação à fé cristã, o problema do mal é a maior delas, porque coloca em xeque a justiça de Deus, questionando a coexistência dos seus atributos, especialmente a bondade e a onipotência. O problema do mal se constitui em um assunto controvertido, não somente para o incrédulo, mas também para o crente, uma vez que pode se tornar um problema da fé. 

Diante disso, este artigo se propõe a demonstrar como uma boa apologética pode ser um instrumento colocado à disposição do Espírito Santo para ensinar e consolar aquele que se inquieta diante do mal que assola o mundo ou que está sendo diretamente afligido pela dor. Embora a argumentação seja insuficiente para alcançar o incrédulo, esperamos que a verdade manifestada por Deus em seus corações seja despertada em sua memória (Rm 1) e os pressupostos cristãos apresentados encontrem ressonância em algum coração dilacerado pela dor.

O problema do mal envolve inúmeros questionamentos espinhosos e difíceis de responder, a começar pela origem do mal. Se tudo o que Deus criou foi considerado bom pelo próprio Deus (Gênesis 1), como explicar a entrada do mal no mundo bom criado por Ele?  Alvin Plantinga nos lembra quão antiga é a discussão a respeito do mal, quando cita Epicuro (341-270 a.C) questionando a bondade e/ou o poder de Deus para lidar com o problema do mal. Há também a repetição do mesmo raciocínio, mais tarde, no século XVIII, com David Hume, quando redarguiu: “A antiga questão de Epicuro permanece sem resposta. Ele quer impedir o mal, mas não é capaz? Então é impotente. Ele é capaz, mas não quer? Então é malévolo. Ele é capaz e quer? De onde, pois provém o mal?”1.

Todavia, parece não fazer qualquer sentido uma religião que adore um deus fraco ou mau, pois um deus assim não seria objeto de adoração. Os cristãos acreditam que não há nenhuma contradição na afirmação: Deus é bom, todo-poderoso e o mal existe. Não somente não há contradição como não há irracionalidade ou incompatibilidade entre a existência de Deus e o mal. Embora o mal não seja tratado na Bíblia como algo normal, mas como um intruso na Criação, um dia ele será vencido totalmente. A despeito de a Bíblia não explicar explicitamente a origem do mal, ela deixa claro que Deus não criou o mal (Tiago 1:13-14). 

Nada obstante essas considerações iniciais, a abordagem do tema impõe a definição do mal, sob uma perspectiva teorreferente, ou seja, o estabelecimento dos limites de bom e mal deve ser feito a partir do Criador. Nessa perspectiva, podemos definir o mal metafísico decorrente da frustração frente à nossa finitude, como definiu Santo Agostinho; o mal moral envolvendo o pecado, pelo uso indevido da liberdade e a dor física, também chamada de sofrimento, causada pelas enfermidades e outros desapontamentos pessoais.

Sob esta ótica, até conseguimos aceitar e tolerar o mal como consequência das más atitudes e/ou escolhas que fazemos em nossas vidas. Entretanto, a explicação a respeito do mal como uma consequência das escolhas humanas não é suficiente para explicar toda a forma de mal. O problema se complica quando, aparentemente, o mal não tem uma justificação ou uma explicação racional, como crianças que morrem ao nascer ou tufões e maremotos que dizimam regiões inteiras, já que a Bíblia não apresenta uma resposta explícita a respeito. 

Como afirma o teólogo e filósofo Jonas Madureira, aquilo que é suprarracional, embora verdadeiro, está além da nossa compreensão. O autor afirma: “O mistério é um elemento legítimo da realidade (…) O mistério humilha a razão humana e a torna ainda mais dependente de Deus, o único ser que conhece exaustivamente todas as coisas”2.

Apesar disso, é na cruz de Cristo que o problema do mal encontra resposta, porque Cristo morreu por pecadores, revelando a sua bondade e justiça divina. Quando tudo parecer perdido e o mal assolar a nossa vida, esse fato inarredável deve ser suficiente para aquietar nosso coração. O cristão deve trazer à memória o grande amor de Deus demonstrado na cruz, não por meio de palavras, mas por ação efetiva. O próprio Filho de Deus entregou a sua vida, compartilhando o sofrimento e a dor que não lhe pertencia (Isaías 53), por amor dos seres humanos pecadores, inimigos de Deus (Romanos 8:5).

Diante do mal, o cristão é instado a lamentar, derramando a sua angústia e perplexidade diante da presença de Deus Pai, Todo-Poderoso, Criador dos céus e da terra3, como nos ensina o Salmo 88: 1-9:

Ó Senhor, Deus que me salva, a ti clamo dia e noite.
Que a minha oração chegue diante de ti; inclina os teus ouvidos ao meu clamor.
Tenho sofrido tanto que a minha vida está à beira da sepultura!
Sou contado entre os que descem à cova; sou como um homem que já não tem forças. Fui colocado junto aos mortos, sou como os cadáveres que jazem no túmulo, dos quais já não te lembras, pois foram tirados de tua mão.
Puseste-me na cova mais profunda, na escuridão das profundezas.
Tua ira pesa sobre mim; com todas as tuas ondas me afligiste.
Afastaste de mim os meus melhores amigos e me tornaste repugnante para eles. Estou como um preso que não pode fugir; minhas vistas já estão fracas de tristeza. A ti, Senhor, clamo cada dia; a ti ergo as minhas mãos.

Além da lamentação, o cristão tem a certeza de que Deus está conduzindo a história com um propósito muito maior do que a sua própria vida. Assim, quando uma mulher sofre as dores do parto, não se desespera, porque sabe que receberá, em breve, nos seus braços, um lindo bebê. Cristo está sendo formado em nós, esta é a nossa esperança (Gálatas 4:19; Colossenses 1:27 e Romanos 8:29). Embora não consigamos entender todas as razões de Deus, cremos que os sofrimentos do presente não se comparam com a glória que em nos há de ser revelada (Romanos 8:18).

Em uma abordagem mais filosófica, segundo Plantinga, o problema do mal não consiste em um anulador da fé teísta, por causa do sensus divinitatis. Embora o cristão também possa ficar perplexo diante dos horrores do mal, não duvida da existência de Deus. 

Por que eu (ou a minha família) devo sofrer para promover os (sem dúvida elevados) fins de Deus, se não tenho nem mesmo o vislumbre de como o meu sofrimento contribui para algum bem?” Contudo, penso na proteção divina em suportar o sofrimento maior por mim e encontro conforto, ou pelo menos, quietude.4

Para o incrédulo, a abordagem a respeito do mal perpassa pelos mesmos pontos, mas, como está morto em seus delitos e pecados (Efésios 2), não poderá compreender as pressuposições cristãs. Não obstante essa limitação, o cristão deve expressar amor e compaixão e conseguir explicar que, além da fé, a crença cristã é racional. Apontando a revelação de Deus como pressuposto para argumentar a respeito do amor inefável de Deus, demonstrado na encarnação e em sua grande narrativa, e em como Cristo se esvaziou e veio habitar entre nós, tomando sobre si as nossas dores (Isaías 53).

Para concluir, precisamos buscar entender o problema do mal a partir de Deus, como disse Van Til, pensando os pensamentos de Deus, após Ele, pois a nossa mente é finita5. Devemos olhar a nossa história e a nossas dores à luz da história maior escrita por Deus. E foi justamente essa certeza que sustentou os cristãos do passado, a convicção a respeito da justiça e bondade de Deus registrada em sua Palavra, mesmo quando não obtiveram respostas às suas queixas a respeito do mal.

Uma perspectiva teocêntrica a respeito do tema nos assegura que todo o mal será julgado e, portanto, não é a última palavra na história maior de Deus. A nossa esperança é escatológica. E, enquanto somos consolados pelas Escrituras a continuar crendo, encontramos lugar na presença de Deus para lamentar e expressar a nossa dor e perplexidade diante das agruras dessa vida, mesmo quando não compreendemos. E com esperança, aguardamos o cumprimento de todas as promessas de Deus, como descrito em Apocalipse 21:1-7.

Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, preparada como uma noiva adornada para o seu marido. Ouvi uma forte voz que vinha do trono e dizia: “Agora o tabernáculo de Deus está com os homens, com os quais ele viverá. Eles serão os seus povos; o próprio Deus estará com eles e será o seu Deus. Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou”.  Aquele que estava assentado no trono disse: “Estou fazendo novas todas as coisas! ” E acrescentou: “Escreva isto, pois estas palavras são verdadeiras e dignas de confiança”.
Disse-me ainda: “Está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. A quem tiver sede, darei de beber gratuitamente da fonte da água da vida.
O vencedor herdará tudo isto, e eu serei seu Deus e ele será meu filho.


1 HUME apud PLANTINGA, Alvin. Conhecimento e crença cristã. Tradução Sérgio Ricardo Neves de Miranda. Brasília-DF: Monergismo, 2016. pág. 206-207.

2 MADUREIRA, Jonas. Inteligência Humilhada. São Paulo: Edições Vida Nova, 2017, p. 126.

3 Credo apostólico.

4 PLANTINGA, op. cit., p. 216.

5 VAN TIL, Cornelius. Apologética Cristã. Tradução de Davi Charles Gomes. São Paulo: Cultura Cristã, 2010, p. 128.


Acreditamos que o estudo teológico é fundamental para todo cristão, e não apenas para pastores ou líderes. Afinal, é a teologia nos ajuda a seguir a Cristo em todos os aspectos da nossa vida!

No Loop, nossa equipe oferece suporte pedagógico e trilhas de estudo personalizadas para seus interesses, permitindo que você aprofunde seu conhecimento teológico e lide de forma segura com as situações do dia a dia.


Bibliografia

PLANTINGA, Alvin. Conhecimento e crença cristã. Tradução de Sérgio Ricardo Neves de Miranda. Brasília-DF: Monergismo, 2016. 224 p.

BÍBLIA SAGRADA. Bíblia de Estudo Herança Reformada. Revista e Atualizada. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil. 2018. 2240 p.

MADUREIRA, Jonas. Inteligência Humilhada. São Paulo: Edições Vida Nova, 2017. 333 p.

VAN TIL, Cornelius. Apologética Cristã. Tradução de Davi Charles Gomes. São Paulo: Cultura Cristã, 2010. 160 p.