fbpx

Resenha: O pastor como teólogo público

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Resenha escrita por Mariana Novais, estudante do Programa de Tutoria Essencial 2021


VANHOOZER, Kevin J.; STRACHAN, Owen. O pastor como teólogo público: recuperando uma visão perdida. Trad.: Marcio L. Redondo. 1 ed. São Paulo: Vida Nova, 2016.


O livro O pastor como teólogo público: recuperando uma visão perdida foi escrito por Kevin J. Vanhoozer e Owen Strachan. Vanhoozer é professor de teologia, autor e organizador de diversos livros. Strachan, por sua vez, também é professor de teologia, além de escritor e diretor de um centro de engajamento evangélico. O livro conta ainda com o auxílio de doze colaboradores, todos eles teólogos. Foi originalmente publicado em 2015, chegando ao Brasil no ano seguinte. Pretende refletir sobre a segmentação imposta entre muitos evangélicos, distinguindo vida pastoral e estudo teológico como independentes um do outro. Os autores mostram que a única solução para a renovação de nossas igrejas é resgatar o verdadeiro significado do que é ser não apenas um pastor, mas um pastor-teólogo público.

Antes de iniciar os capítulos do livro oficialmente, Vanhoozer introduz o tema na introdução. Ele mostra o problema em perder a visão do pastor como teólogo público, as causas que levaram a isso e sua perspectiva empara resolver o problema. A primeira parte do livro, composta pelos dois primeiros capítulos, tem como tema a Teologia Bíblica e a Teologia Histórica. O primeiro capítulo, escrito por Strachan, propõe interligar o ofício pastoral com o ofício  exercido por profetas, sacerdotes e reis no Antigo Testamento e, como Jesus os desempenhou-os na nova aliança estabelecendo o paradigma pastoral. No segundo capítulo da obra, podemos encontrar a historiografia do ministério pastoral, desde a igreja antiga, perpassando o período medieval até chegar nos dias de hoje, desde a contribuição do monasticismo até a ignorância de alguns movimentos, como o liderado por Charles Finney.

Na segunda parte, toda desenvolvida por Kevin Vanhoozer, temos os capítulos três e quatro. No primeiro, Vanhoozer discursa sobre o propósito do pastor-teólogo. A principal mensagem deste capítulo é o aspecto indicativo da teologia. Por indicativo temos aquilo que é. O pastor-teólogo tem como papel indicar aquilo que já é em Cristo a uma comunidade de homens e mulheres (p. 147). O segundo ponto é a imperatividade do evangelho, que ordena como devemos agir com base naquilo que já é (p. 160). No quarto e último capítulo, o autor aborda as práticas do teólogo. Quatro práticas que moldam o caráter do pastor-teólogo como também da sua comunidade eclesiástica: evangelismo, catecismo, liturgia e apologética. Essas práticas têm como objetivo proclamar, ensinar, celebrar e demonstrar, respectivamente, aquilo que encontramos em Cristo. 

Na conclusão do livro encontramos cinquenta e cinco teses a respeito do pastor como teólogo público. Além disso, podemos encontrar entre os capítulos o que os organizadores do livro chamam “Perspectivas pastorais” com pequenos artigos escritos por teólogos acerca de diversos temas, como, por exemplo, tecnologia, morte e leitura. A leitura de todo o livro é bastante enriquecedora e esses artigos servem para complementar e mostrar a necessidade de ser um pastor-teólogo público. É possível perceber que, para além dos pastores cumprirem o chamado biblicamente, essa é a única maneira de termos igrejas saudáveis produzindo teologia saudável para além dos muros eclesiásticos.

A leitura desta obra é extremamente necessária, não apenas para aqueles que desejam desempenhar o papel de pastor-teólogo, mas para toda a igreja de Cristo. Ser teólogo público é o chamado de todo cristão. Isso não significa que todos devem estudar teologia de maneira formal, mas que todos devem se debruçar sobre a Palavra de Deus, e, consequentemente, aprofundar seus estudos com a ajuda de outros livros. Estudar teologia, ao contrário do que muitos pensam, não esfria o “crente”, mas o aproxima-o daquele que o criou e decidiu se revelar, o próprio Cristo. A teologia nos auxilia na função de exercer nossos estudos, profissões e papéis na sociedade, como nos lembra a obra aqui resenhada.

Um dos aspectos brilhantes deste livro é sublinhar a importância do corpo eclesiástico. Como afirma Vanhoozer, “mentes teológicas pertencem a corpos eclesiásticos.” (p. 15). De nada contribui aquele que se propõe a se aprofundar nos estudos teológicos se não pertencer a uma comunidade de fé. Talvez o defeito deste livro seja não tratar da contribuição feminina à igreja ou como auxílio aos mestres da congregação. Excluindo as páginas brancas, O pastor como teólogo público se mostra como uma leitura obrigatória a todos os evangélicos brasileiros. Certamente, uma grande contribuição no campo da teologia pública.