Deus está morto

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrito por Daniel Ponick Botke, estudante do Programa de Tutoria – Turma Avançada 2020

O homem está livre de religião, o homem pode viver sem idolatrar nada, a ciência tomou o lugar de Deus, não precisamos mais de Deus, o homem pode ser a medida do próprio homem, Deus está morto. Estas são algumas afirmações que iremos testar de forma breve neste artigo. Seriam elas verdadeiras? Estaria Deus de fato morto e o homem livre de toda e qualquer religiosidade? Defendo que não apenas o homem não consegue ser arreligioso, como também que este continua necessitando de Deus, o qual está vivo.

1. A morte de Deus

Friedrich Nietzsche (1844-1900) foi aquele que “matou a Deus”. Vivendo em uma Europa pós Iluminismo e pós revolução francesa, ele viu muitas das dúvidas e perguntas da humanidade que antes eram respondidas pela religião, sendo agora respondidas pela ciência, não necessitando mais de Deus para explicar os fenômenos naturais, as doenças, e nem mesmo a origem e existência do homem. Deus não somente não era mais necessário, mas, segundo Nietzsche, não gerava nenhuma mudança em seus seguidores, os quais na sua época pregavam algo que não viviam; logo Nietzsche conclui que se Deus existir Ele está morto.

Isso fortaleceu ainda mais a execução do ideal Iluminista de um estado laico, o qual defendia que quase todas as guerras do mundo até então tinham motivação religiosa. Muita dor, sangue e sofrimento foram causados por guerras ditas santas. Isto não era mais necessário, e seria resolvido com Estados laicos que governariam sua nação racionalmente, guiados pela ciência e pela razão, livres de influências religiosas. Os países negociariam entre si com bases científicas e econômicas, proporcionando paz, progresso e crescimento ao mundo. Vemos inclusive reflexo disso em nossa bandeira nacional, a qual tem as palavras “Ordem e progresso” tiradas do lema positivista “O amor por princípio, a ordem por base e o progresso por fim” de Auguste Comte (curioso que foi removido o amor). (1)

A grande pergunta que podemos fazer é: deu certo? Obviamente já sabemos a resposta, pois basta olharmos para os últimos 120 anos e ver a quantidade de guerras provocadas e combatidas por Estados ditos laicos, dentre elas as duas grandes guerras mundiais. Não bastasse isso, a evolução da ciência e dos Estados laicos não extinguiu, nem mesmo diminuiu, o crescimento das religiões, nem impediu que novas guerras santas estourassem em nosso planeta.

2. O homem secular moderno/pós-moderno

O homem pós segunda guerra tinha agora Deus morto de um lado e a desconfiança com os governantes e com a humanidade do outro. Onde, portanto, depositar a sua fé? No que confiar e como continuar a vida? A ciência que prometia cura desenvolveu gases para massacre em massa de seres humanos. Os governos ditos laicos guerrearam em prol de ideologias filosóficas, e por teorias de seleção racial. O que restou? Dentre os escombros, o homem resgatou algo em que se apoiar, algo que continuava lá, sua confiança na razão e em si mesmo.

O homem moderno continuou descrente e cético quanto a existência e necessidade de Deus. Confiante em seu próprio raciocínio, este acreditava na capacidade do homem de conhecer e de chegar à verdade por si mesmo. Acreditava ter dentro de si a habilidade de fundamentar e explicar suas crenças. A ideia conhecida como Fundacionalismo defende que uma ideia só pode ser aceita se estiver baseada em alguma outra ideia que foi comprovada racionalmente, e assim por diante até que na base mais profunda deste edifício do conhecimento estariam as ideias básicas, as quais não precisam de evidências para se provarem verdadeiras. Esta é uma teoria internalista, ou seja, o crença de que a  verdade é baseada e desenvolvida no interior do homem, é internalizada. (1) (2)

3. O homem entre Deus e os ídolos

Teria desta vez o homem conseguido chegar à verdade e estar certo e seguro de que a detém? Certamente não. O fundacionalismo mostrou-se impraticável, visto que poucas crenças passam pelo seu crivo. Crenças diárias e cotidianas como a explicação de que o céu que estou vendo é de fato azul e não verde, mostraram-se difíceis, e em alguns casos impossíveis de se provar no método fundacionalista. Este, portanto, se mostrou demasiado distante da vida real do homem. E como se não bastasse, este mostrou-se autocontraditório pelo fato de que o método fundacionalista não é fundamentado e originado em uma crença básica; sendo assim, o próprio fundacionalismo não é aprovado pelo fundacionalismo.

Desta forma o fundacionalismo perdeu sua força, e com ele a ideia de que todas as sentenças assumidas como verdade devem ter base científica, ou serem cientificamente comprovadas, uma vez que este nível de comprovação mostrou-se impossível, ou no mínimo muito distante da vida real. Com isso, o homem dito pós-moderno tornou-se medida de verdade para si mesmo, onde agora a verdade não mais precisa necessariamente ser comprovada ou embasada por alguma outra verdade, precisa apenas ser verdade para você, fazer sentido para você, ou te fazer bem ou feliz. O internalismo foi mantido.

4. A idolatria que nos destrói

A pergunta que quero propor, no entanto, é: O modernismo e o pós modernismo conseguiram de fato se livrar da religião? Tornaram-se eles arreligiosos? Minha resposta é não, a qual defendo primeiramente buscando entender o que não é religião. Religião não é necessariamente crença em um Deus, o budismo não crê em um Deus. Religião não é necessariamente crença no sobrenatural, o hinduísmo não crê em uma esfera além da esfera material. Então o que é religião? Religião é um conjunto de crenças que explica o que é a vida, quem somos e as coisas mais importantes para o homem. O compromisso de fé em algo é a forma de responder às seguintes perguntas básicas: Quem sou eu (natureza e propósito humano)? Onde estou (natureza do mundo)? O que está de errado (obstáculo para a minha satisfação)? Qual a solução (como vencer esse impedimento à minha realização)? (3)

Ora, quem tem respondido estas perguntas cruciais do homem na modernidade? A ciência, com base em sua razão, mas como vimos brevemente acima, esta não tem dado conta de cumprir com suas promessas nem mesmo de justificar crenças cotidianas e ordinárias. Já na pós modernidade a consciência do homem tem respondido, ou tentado responder, estas perguntas, não necessariamente com base em sua razão, mas com base em seus desejos. A verdade torna-se verdade para mim se esta vai de encontro com aquilo que acredito e desejo, seja dinheiro, fama, família, aparência etc. Ou seja, na mesma proporção que o homem moderno depositou sua fé e esperança na ciência e na razão, o homem pós-moderno deposita sua fé e esperança na satisfação do seu ego, ou seja, a religião continua ali. Eles podem não mais estar adorando um deus pessoal e transcendental, mas certamente estão adorando algum ídolo.

Então, talvez nos perguntemos: Certo, mas qual o problema nisso? O problema é que não temos como nos tornar maiores do que aquilo que idolatramos. Se idolatramos a razão teremos de nos contentar com suas respostas sobre a vida, origem do cosmo, sentido da existência etc., mas como vimos, está não possui proposta muito animadoras. Da mesma forma, se somos guiados pelos desejos do nosso coração, mesmo que o alcancemos, logo perceberemos que se tratava de mais um trivial desejo, perecível, que não responde às perguntas da vida.

Por fim, todo ídolo requer um altar e um sacrifício, a idolatria da razão tem como altar a academia ou os trabalhos acadêmicos, e pede como sacrifício os desejos e emoções da vida real. Da mesma forma os diversos desejos do nosso coração requerem um altar e um sacrifício: o dinheiro com o trabalho como altar e talvez sua família ou saúde como sacrifício. A beleza com as redes sociais como seu altar e a auto estima como sacrifício. O consumismo com o shopping como seu altar e o dinheiro como sacrifício, e assim por diante. Assim, a idolatria a ídolos de nosso espaço-tempo não apenas nos torna do mesmo tamanho de nossos ídolos, mas nos destrói. (1)

Um homem corta cedros, ou pega um cipreste ou um carvalho; assim escolhe dentre as árvores do bosque. Planta um pinheiro, e a chuva o faz crescer. Isso serve para o homem queimar; toma uma parte da madeira e com ela se aquece; acende um fogo e assa o pão; também faz um deus e se prostra diante dele; fabrica uma imagem de escultura e se ajoelha diante dela. Ele queima a metade no fogo, e com isso prepara a carne para comer; faz um assado e dele se farta; depois se aquece e diz: Ah! Já me aqueci, já experimentei o fogo. Então com o resto faz um deus para si, uma imagem de escultura. Ajoelha-se diante dela, prostra-se e dirige-lhe sua súplica: Livra-me, porque tu és o meu deus. Nada sabem nem entendem, porque seus olhos foram fechados para que não vejam, e o coração, para que não entendam. Is 44.14-18 (4)

Se de fato desejamos alcançar a verdade, não podemos buscá-la dentro do espaço-tempo, mas fora, não dentro de si mesmo, mas fora.

5. O Deus triúno que nos salva do niilismo

O homem está entre Deus e os ídolos. Como vimos não há como fugir de adorarmos algo, de termos fé e confiança em algo, na salvação por algo ou alguém, seja este Deus ou um ídolo. O fato é que sempre estaremos adorando e sempre seremos religiosos. O ídolo, porém, nos destrói, enquanto o Deus triúno é aquele que nos criou, nos planejou e planejou todas as coisas. É aquele que criou o universo, que criou cada esfera de nossa existência, e a tudo conhece. O homem caiu em pecado e arruinou a si mesmo e a toda criação. Deus, porém, enviou seu Filho para no poder do Espírito Santo morrer e nos salvar. Agora, através do agir do Espírito Santo em nossos corações, podemos ver a Cristo não apenas na história (Cristo encarnado), mas também no testemunho de todas as coisas criadas (pois toda a natureza demonstra que há um Deus por trás de sua criação) bem como e mais especialmente na sua autorrevelação escrita, inspirada pelo Espírito Santo para a edificação dos seus filhos na imagem de Cristo e para a glória de Deus Pai. (5)

Conclusão

Há uma salvação, há um ser que transcende o nosso espaço e tempo, que nos permite apontar para Ele o sentido de nossas vidas de forma transcendental, encontrar nele as respostas para as perguntas cruciais da vida. Pois Ele não é apenas um ser transcendente, mas um ser pessoal, um ser de amor, que nos criou, nos formou e tudo planejou para honra e glória do seu nome. Deus não apenas está vivo, mas reina e pode nos salvar.

Em 1882, Friedrich Nietzsche anunciou de forma resoluta a morte de Deus. Com isso, ele queria dizer que a crença em Deus simplesmente não era mais viável. Sua intenção era que isso se tornasse o fim da fé. Na realidade, porém, “Deus está morto” é onde a verdadeira fé começa. Na cruz, Cristo, a Glória, condena à morte todas as falsas ideias sobre Deus; e, ao clamar a seu Pai e oferecer-se pelo Espírito (Hb 9.14), dando seu último suspiro, ele revela um Deus além da nossa imaginação. (6)


Referências:

1. CARVALHO, Guilherme de. Fé e Racionalidade. s.l. : L’abri Fellowship Brasil.

2. PLANTINGA, Alvin. Crença Cristã Avalizada. Trad. Desidério Orlando Figueiredo Murcho. São Paulo : Vida Nova, 2018.

3. CAMPOS JR, Heber Carlos de. Amando a Deus no mundo: por uma cosmovisão reformada. São José dos Campos, SP: Fiel, 2019.

4. Bíblia. Século 21. São Paulo : Vida Nova, 2013.

5. BRAUN JR, Guilherme. Um método trinitário neocalvinista de apologética: Reconciliando a apologética de Van Til com a filosofia reformacional. Brasília, DF: Academia Monergismo, 2019.

6. REEVES, Michael. Deleitando-se na trindade. Trad. William Campos da Cruz. Brasília-DF : Monergismo, 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *