Os cristãos precisam de uma utopia?

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrito por Arthur Garcia Ferreira Martins, estudante do Programa de Tutoria – Turma Avançada 2020

INTRODUÇÃO

Com o pânico social crescente, pensa-se como é possível reverter essa situação. Utopia é o caminho adotado pelo homem moderno, como um ideal de esperança. Meios revolucionários são adotados para buscar a sociedade ideal. Que tem as utopias em comum com o cristianismo? 

O QUE É UTOPIA?

Para compreender o significado da palavra utopia, precisamos remontar ao Renascimento, onde “o homem coloca a si mesmo no espaço da história e considera o mundo como seu domínio.”[1] Deus não é mais, necessariamente, o centro ou o fim da filosofia. Ali, ressurge o pensamento da res publica romana, uma sociedade que é assunto de todos, uma comunidade construída pelo esmero de cada membro. Pela cooperação de cada cidadão, o ideal de harmonia, liberdade e prosperidade pode ser realizado na história[2]. Seguindo este pensamento, “o homem aparece como um ser que é capaz de aperfeiçoar a si mesmo e o mundo. A história se transforma num processo de progresso que sob direção humana é capaz de produzir uma sociedade melhor”[3]. O homem descobriu como se salvar: basta seguir sua humanidade.

Mas a gênese da utopia moderna se encontra, particularmente, à partir da obra escrita por Thomas More, que recebeu o nome de Utopia, em 1516. Tendo como referência a República de Platão, “volta-se a sonhar e pensar na construção de uma sociedade ideal”[4]. Como um exegeta, More aplica os elementos descritos por Platão em sua narrativa, contextualizando-os, aproximadamente, dois mil anos depois. Aqui nasce a mãe das utopias modernas. Na obra Utopia são feitas críticas à desigualdade social e ao parlamento sujeito às normas do rei Henrique VIII. Rafael é alguém que vem da ilha que leva o nome de Utopia. A vida em sociedade é ideal nesta ilha, e há apenas uma condição para habitar nela: crer em deus, qualquer que seja sua religião. Um tipo de fé genérica tem seu lugar para que o homem alcance sua potência. O homem é seu protagonista, e aparece (tendo se libertado da estrutura despótica) como “o criador de um novo mundo”[5] mais feliz, harmonioso, justo, próspero, saudável, erudito e perfeito.

O pensamento utópico é determinado pelo uso de uma avaliação elevada da capacidade humana – sobretudo razão e vontade. “Sem esse homem, no qual o mal parece não estar mais alojado, a Utopia não é possível”[6].

Hans Achterhuis destaca três características centrais no pensamento utópico: viabilidade, conteúdo material e caráter totalitário[7]. Primeiro, construir uma utopia é visto como racionalmente viável. Segundo, nela está “a projeção imanente das condições materiais desejadas”[8]. Terceiro, a utopia é de caráter universal, holística e obrigatória.

O CRISTIANISMO É UMA UTOPIA?

A palavra utopia vem de topos, “o lugar que não existe”. A ilha perfeita que interpreta a sociedade ideal não é real. Devemos perguntar, então, se o cristianismo é real. Cristo é real? Seu Reino é real? Para a teologia liberal, o cristianismo não passa de um jogo de palavras e símbolos que são utilizados para a interpretação da verdadeira realidade. Segundo o pensamento de René Descartes, se a razão pensa sobre algo de modo detalhado, é porque deve existir, logo, ter tantos detalhes acerca do que penso sobre de Deus deve ser o aval para sua veracidade. Para o cristão, Cristo não só é realidade na qual este se apoia como ponto transcendente, mas também o cristianismo é a única verdade sobre o mundo.

Se a utopia é uma abstração que “não precisa ser comprovada empiricamente para ser efetiva”[9], o cristianismo sim. Só é cristão aquele que reivindica ter experimentado a alegria, a justiça, a paz[10 e os poderes[11] da Nova Cidade. O cristão tem na “cidade que existe” a sua referência teleológica, e por isso, reunido na comunidade dos cidadãos do Céu, tem elevada capacidade para desenvolvimento de virtudes morais. O capital moral presente nas comunidades cristãs evidenciam como o cristianismo possui um “espelho” de sociedade melhor. Com melhor, quero dizer um espelho que tem poder de criar pequenas comunidades à luz da Nova Cidade. Enquanto Francis Bacon imaginou a “Nova Atlantis”, o cristão se apegou à “Nova Jerusalém”, que para este, não é utópica, mas real.

O pensamento utópico pressupõe que “aquilo que existe não pode mais ser o ponto de partida”[12]. Está intrínseca uma proposta ontológica. O ponto de partida deve ser algo que “não existe”. A esperança cristã, empiricamente comprovada pela alegria dos mártires, é, em meio à uma sociedade caótica, apontada, em derradeiro, por João. Marcado pelas chagas da injustiça, do isolamento social, da dor e do martírio, ele via a Nova Jerusalém como paradigma de sociedade justa, rica e feliz. Esse paradigma produziu homens de fibra moral que suportaram sofrimentos terríveis (Hebreus 11:33-38) e resistiram à tirania (João Batista).

Fica claro, portanto, que, o cristão não se baseia em lugar inexistente fundamentado na abstração mental. Além disso, o pensamento utópico tende a produzir um desprendimento do presente, e desconsiderar a realidade em detrimento de um ideal inalcançável. O homem moderno, “para alcançar o objetivo utópico, está disposto a tudo. Já que sua utopia é o ideal, ele está disposto a romper com o pacto social entre os presentes para alcançar sua utopia”[13]. O cristão, por outro lado, não recebe essa orientação da projeção que lhe é revelada. O cristianismo traz uma escatologia inaugurada. Já na sociedade que existe, a justiça resplandece em meio à injustiça. Enquanto se espera que Cristo traga consigo a Nova Cidade perfeita, o estilo de vida desta cidade se faz visível no caráter cristão. A ética da vida cristã é amar os inimigos, cuidar do outro. Isso não pode ser feito sem que o homem esteja presente no mundo imperfeito e considere a situação atual da sociedade. O cristianismo incita o homem a produzir seu capital moral para agora, no mundo injusto e desigual, assim como Cristo viveu. O homem é incentivado a agir nas “coisas penúltimas”, esperando pelas “últimas coisas”, a saber, a chegada da Cidade Celestial.

Karl Mannheim afirma que “na utopia, trata-se de representações que influem, de modo transformador, na situação social como ela é” e “não se baseia em um diagnóstico da situação”, “não é capaz de reconhecer corretamente uma condição existente na sociedade”[14]. A utopia não considera a realidade atual, ela desespera-se de como as coisas são. O utópico, ansioso, só pode ver o futuro de como as coisas poderão ser se tudo que existe for destruído e refeito, segundo o espelho da abstração mental. Daí, o espírito revolucionário.

AS DISTOPIAS MODERNAS

O conceito de utopia se desenvolve ainda mais com a chegada do alto modernismo. “Utopia passa a ser uma história de poder, de soberania de Estado”[15]. Para se chegar a esse “mundo novo”, não há outro caminho a não ser por meios estatais, tentando realizar tais representações utópicas. Uma nova ordem social e política é o ponto central da utopia no século XX. Revolução é o nome disso. “Segundo Hannah Arendt, o esforço para estabelecer uma ordem social com violência é o totalmente novo das revoluções sociais”[16].

Assim, “o pensamento progressista foi chamado de secularização das expectativas futuras cristãs […] e passou a ser a legitimação das formas de violência contra o passado e contra o presente”[17]. A descontinuidade é uma marca do pensamento utópico, e assim, em nome do desejado futuro social pode ocorrer a ruptura com os comportamentos e padrões sociais que nos unem concretamente com outros”[18]. Assim se origina a distopia, estado imaginário em que se vive em condições de extrema opressão, desespero ou privação. A distopia é um provável resultado do pensamento utópico, uma vez que o pacto social se torna relativo ao ideal utópico. Catástrofes humanitárias sempre acompanham projetos utópicos, pois estes são apresentados com grande autoridade política e cultural, impedindo à sociedade que ofereça resistência.

CONCLUSÃO

Segundo o cristianismo, construir uma utopia não é visto como racionalmente viável. A maldade humana é pressuposto básico da doutrina cristã. Não é possível construir o paraíso de baixo para cima. Essa tentativa foi feita em Babel e Deus rejeitou. A Nova Cidade desce de Deus, ao invés de ser erguida pelo homem. Segundo, o cristianismo está ciente que enquanto Cristo não habitar fisicamente a Terra, não haverá sociedade plenamente justa, logo, a ausência de condições materiais desejadas: “Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça”[19]. Terceiro, o que o cristianismo vê  como uma realidade de caráter universal, holística e obrigatória em nossos tempos, aponta para os absolutismos catastróficos no século XX.

Sendo assim, o cristão não precisa de uma utopia. Seu modelo de sociedade e ética social está bem referenciado na Nova Cidade que já se faz presente através dele, como seu embaixador. Não há uma fé ingênua no capital moral, embora se reconheça o florescimento humano. A justiça, o respeito, o amor e a tolerância são virtudes morais que podem florescer dentro da sociedade e devem ser evidenciadas para que não haja pânico social, situação em que instituições não funcionam, assim como não há a presença de pessoas que se importem umas com as outras.

Ainda assim, diversas utopias modernas se tornaram em distopias, exatamente devido à sua inviabilidade.


[1] Roel Kuiper, Capital Moral: o poder de conexão da sociedade. Tradução de Francis Petra Janssen. – Brasília, DF: Editora Monergismo, 2019, p. 55.

[2] Ibidem, p. 57.

[3] Ibidem.

[4] Ibidem, p. 58.

[5] Ibidem, p. 62.

[6] Ibidem.

[7] Ibidem, p. 60.

[8] Ibidem, p. 61.

[9] Ibidem, p. 62.

[10] Bíblia Versão Revista e Atualizada, Romanos 14:17.

[11] Idem, Hebreus 6:5.

[12] Roel Kuiper, p. 61.

[13] Zé Bruno, grupo de Whatsapp “Corredor do InC”.

[14] Roel Kuiper, p. 61.

[15] Idem, p. 70.

[16] Idem, p. 71.

[17] Idem, p. 72.

[18] Roel Kuiper, p. 73.

[19] Bíblia Revista e Atualizada, 2 Pedro 3:13.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *