fbpx

Praticando o cânon: oração, teodrama e a espiritualidade cotidiana

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrito por Bruno Mambrim Maroniestudante do Programa de Tutoria 2020 – Turma Avançada


Introdução: vivacidade teológica, Vanhoozer e o Drama da Doutrina

A relação teologia e espiritualidade comunitária, concreta e cotidiana costuma ser vaga, pragmática e até inoperante. A essa interação “sem jeito” subjaz a separação entre teoria e prática. Isso implica em impasses tanto teológicos quanto eclesiásticos e de discipulado. Este dilema é corriqueiro: “O que as Escrituras e doutrina têm a ver com o ordinário da vida cristã?”. Um autor contemporâneo que muito contribui no tratar dessa questão é Kevin J. Vanhoozer, particularmente em sua obra paradigmática O Drama da Doutrina: Uma Abordagem Canônico-Linguística da Teologia Cristã

Quem é Kevin Vanhoozer? Vanhoozer, atualmente, atua como professor e pesquisador de Teologia Sistemática na Trinity Evangelical Divinity School (TEDS). Seu trabalho acadêmico e publicações, com início na segunda metade da década de 80, têm se concentrado nas áreas de teologia sistemática, método teológico, hermenêutica e pós-modernismo – além de implicações em eclesiologia e discipulado. É um pesquisador e autor erudito e versátil. Entre os principais títulos de sua bibliografia estão: Há Um Significado Nesse Texto? Interpretação Bíblica: Os Enfoques Contemporâneos; Teologia Primeira: Deus, Escrituras e Hermenêutica; O Pastor Como Teólogo Público: Resgatando Uma Visão Perdida; Encenando o Drama da Doutrina: Teologia a Serviço da Igreja; e, claro, O Drama Da Doutrina. Do que se trata esse último? 

O Drama da Doutrina: Uma Abordagem Canônico-Linguística, é sobre metodologia teológica, um empenho metacrítico, um metadiscurso. Nele, Vanhoozer discorre a respeito do ponto de partida teodrámático evangélico para o labor teológico (a proeminência das Escrituras), a vitalidade e necessidade da doutrina, o risco da ocupação de correntes filosóficas, culturais e ideológicas na produção teológica (vazio de referências), a singularidade da mensagem cristã, entre outros desdobramentos. Vanhoozer pretende responder às questões tais como: qual o princípio primário da teologia? O que a igreja tem a dizer com exclusividade? Onde se encontra a revelação?

1. O contexto da obra: George Lindbeck, o lócus da revelação e o teodrama

Qual o contexto da obra? Vanhoozer publicou O Drama da Doutrina em resposta à obra de George Lindbeck, A Natureza da Doutrina, publicada em 1984. O que propôs Lindbeck? 

O objetivo dele foi analisar três tipos teóricos que explicam onde diferentes grupos encontram a revelação. Ele elenca três modos: 1) proposicionalista-cognitiva, 2) expressivista-experiencial, 3) linguístico-cultural. O primeiro refere-se às doutrinas como afirmações de verdade, proposições informativas. O segundo enfatiza doutrina como símbolo dos sentimentos e atitudes interiores de uma pessoa. E para o terceiro, que Lindbeck subscreve, doutrinas resultam da vivência comunitária/social, seus usos e discursos. Lindbeck se posiciona no pós-liberalismo (terreno da teologia narrativa). Essa abordagem pressupõe que a análise linguística-narrativa compõe as formulações teológicas – daí o nome “linguístico-cultural”. A crítica e contraponto de Vanhoozer, porém, é que apesar da validade do aspecto linguístico, a norma da teologia não é cultural, mas canônica. Essa ênfase reaviva o Sola Scriptura, não como conceito, mas prática e atuação.  Assim, onde está a revelação? Está nas Escrituras, nos atos de fala divinos – no teodrama. Por que teodrama? Vanhoozer desenvolve sua proposta orientada pela metáfora teatral. Wesley Hill explica:

Quando fala acerca da vida da igreja, Vanhoozer sugere que o pastor é o    diretor de palco que assegura que os artistas saibam todas as suas linhas e consigam improvisar quando necessário. Os cristãos individualmente são os atores. A Escritura oferece o roteiro. O teólogo é o ‘dramaturgo’, usando conhecimento especializado sobre atuação e interpretação clássica para orientar a ação do diretor. Existe o teatro de obra-prima (os credos). Existe o teatro local (a congregação) bem como o teatro regional (a denominação ou confissão a que pertence a congregação).

Drama é o curso de ação no teatro. Essa analogia é coerente a um aspecto crucial do evangelho: ele é ação –   palavras e atos de Deus (ou: atos por palavras) que convocam respostas do povo dele. As Escrituras transcrevem os feitos e falas de Deus, entradas e saídas do Senhor que podemos resumir em cinco atos principais. 1) Criação; 2) eleição, rejeição e restauração de Israel; 3) Jesus (o clímax teodramático); 4) Cristo ressurreto, o Espírito e a Igreja; 5) eschaton (consumação). É esse o enredo canônico (da Bíblia toda). Vanhoozer opta pelo drama à narrativa, porque, de acordo com ele, drama não só “diz”, mas “mostra”, o que rompe com a dicotomia teoria/prática. Além disso, desperta ações/respostas da igreja, como convite à participação.

Disso parte a teologia. A teologia encontra na revelação autocomunicativa de Deus seus recursos, afirmações e práticas. Assim, elaborá-la não se dá pelo falar sobre Deus autônoma e independentemente, mas ouvindo com humildade e obediência o que Ele fala sobre si mesmo.

2. Sobre práticas canônicas: roteiro, encenação e oração cristã

É notável que a abordagem canônico-linguística de Vanhoozer não tem limites informativos, mas um apelo prático à encenação. Se a norma teológica é o cânon, ele é, consequentemente, a autoridade que orienta a encenação: o roteiro – direção à linguagem, pensamentos e ações – para a participação no discurso divino e sua encenação (fiel e criativa) em cenários distintos. A encenação da igreja acontece por práticas canônicas. O que seriam? Práticas canônicas são “atividades sociocomunicadoras dirigidas pelo Espírito e regidas por regras, elaboradas com finalidade relativa à aliança” (VANHOOZER, 2016, p. 233). Vanhoozer expõe duas práticas canônicas para a igreja/vida cristã: o olhar para Cristo e a oração. Essa última é o foco deste texto. Em que sentido a oração é prática canônica?

Primeiro, claro, porque figura em todo o cânon, do Antigo ao Novo Testamento. Os Salmos são exemplos notáveis. Segundo: Cristo assegurou e encorajou a prática da oração (Mt 5.44). E sobre isso, Vanhoozer aponta três características marcantes do ensino de Jesus: ela identifica a paternidade divina, além disso, através dela compartilhamos da filiação e herança comuns a Jesus. Por último, as orações de Jesus testemunharam de sua identidade como Filho de Deus (2016, p. 241). Então, quais os frutos da oração – orar com Jesus? Reconhecer e experimentar, pelo Espírito, nossa identidade de filhos de Deus: a segurança da adoção. Vivenciar a família de Deus e reconhecê-lo como Senhor.

O que faz da oração prática canônica singular? Vanhoozer inicia a reflexão citando a obra Word and Church, de John Webster:

O leitor é um ator dentro de uma teia maior de eventos e atividades, no meio da qual é suprema a ação de Deus em que ele, por meio do texto da Bíblia, fala a sua palavra para o seu povo […]. A palavra é dirigida no texto ao leitor como participante desse processo histórico. (2016 apud 2001, p. 77). 

O leitor é participante. Sendo assim, no estopim (ponto crítico) teodramático está a questão: “responderemos ou não? Reconheceremos a Deus por quem ele é e a nós mesmos por quem somos? Oraremos ou não?” (VANHOOZER, 2016, p. 240). Vale destacar que as reações performáticas ultrapassam a cognição.

Esse é um alerta recorrente na obra de Vanhoozer. Os atores respondem comunicativa e espiritualmente. A resposta do autor é decisiva. Orar é imprescindível para a participação dialógica com Deus que fala e age, é prática que supera a leitura passiva de um espectador frente ao cânon, o registro vivo do drama divino. Em Encenando o Drama da Doutrina (sequência de O Drama da Doutrina) ele considera: “A oração é um exemplo de fé que comunica entendimento e ação dialógica divina-humana que impulsiona o drama da redenção. […] Ao orar, o discípulo não apenas observa o teodrama, mas também assume suas falas” (2016, p. 292).  Eugene Peterson em A Oração Que Deus Ouve descreve com clareza e intensidade essa realidade:

Quando nos preparamos para orar em resposta às palavras de Deus endereçadas a nós, aprendemos que todas as palavras divinas possuem essa característica: são torah e nós somos o alvo. A palavra de Deus não é um livro guardado em uma biblioteca, que retiramos da estante quando precisamos de alguma informação. Não há nada de passivo ou formal nessas palavras. Palavras de Deus, cada uma delas criativa e salvadora, nos atingem onde estivermos. (2007, p. 43). 

Pela oração reconhecemos que o Eterno é autor do texto, acolhemos seu discurso e adequamos como atores nossos desejos – ver, sentir, experimentar – aos do dramaturgo, encarnando o evangelho e assumindo nosso papel. E mais: a oração  corresponde declaradamente à “transcendência e proximidade de Deus” (VANHOOZER, 2016, p. 240). Ou seja: orando nos adequamos e conformamos ao caráter do próprio Deus.

Considerações finais: a oração como experiência prosaica do teodrama

A proposta teodramática ressalta e chama atenção para o aspecto todo-abrangente, de proporções cósmicas, da ação de Deus no mundo. Essa metáfora se desdobra com sensibilidade estética e brilhantismo, capturando e comunicando, dentro dos limites epistemológicos e linguísticos dos empreendimentos intelectuais humanos, a magnitude teodramática. A teologia teodramática, com sua abordagem canônico-linguística, porém, resguarda-se de especulações herméticas, sem contato com a vida que corre. Pelo contrário. A teologia, para Vanhoozer, se ocupa com “nossa existência cotidiana (as coisas da vida diária) quanto da nossa cultura (a forma da vida diária com as pessoas). […] reconhece a importância do elemento ‘prosaico’: as práticas corriqueiras de linguagem e vida.” (2016, p. 325).

Vamos ao dilema inicial: “O que as Escrituras e doutrina têm a ver com o ordinário da vida cristã?”. Considerando o caráter ativo e relacional da revelação divina teodramática,  a pergunta deveria ser: “No que o ordinário da vida cristã não tem a ver com as Escrituras e a teologia?”. Absolutamente nada.

Orando, praticando o cânon, vivenciamos cotidianamente, organicamente, entre as contingências diárias, a beleza, amplitude e a glória do teodrama. Orando, respondemos e servimos em aliança o autor do drama todo-abrangente.


Referências bibliográficas

HILL, Wesley. Kevin Vanhoozer, o rei do drama. Disponível em <https://teologiabrasileira.com.br/kevin-vanhoozer-o-rei-do-drama/>. Acesso em 27 jan 2020.

PETERSON, Eugene. A oração que Deus ouve: o livro de Salmos como guia básico de oração. Trad. José Fernando Cristófalo. Curitiba: Palavra, 2007.

VANHOOZER, Kevin J. O drama da doutrina: uma abordagem canônico-linguística da teologia cristã. Trad.  Daniel de Oliveira. São Paulo: Vida Nova, 2016.

____________________. Encenando o drama da doutrina: teologia a serviço da igreja. Trad. A. G. Mendes. São Paulo: Vida Nova, 2016.

1 comment

  1. Marcio Roberto

    Gostei do seu conteúdo, até salvei aqui nos favoritos para
    ler depois com calma outras publicações. Não sei se vocês
    já possuem alguma forma de divulgação online (ou
    marketing digital), mas seu site merece ser conhecido e
    visitado por mais pessoas com certeza. Se eu puder te
    ajudar de alguma forma, ou parceria etc, entra em contato
    comigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *