fbpx

Um mundo polarizado e a alternativa do amor na filosofia política de Agostinho

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrito por Gabriel Pereira de Carvalho, estudante do Programa de Tutoria Filosófica 2021

INTRODUÇÃO

O presente ensaio tem como objetivo demonstrar uma resposta às polarizações da contemporaneidade a partir de pontos presentes na filosofia política de Agostinho de Hipona. Para tal fim, primeiro se analisa a impossibilidade de ser neutro em tempos de polarização, demonstrando, a partir dos pressupostos de Herman Dooyeweerd, que inexiste neutralidade (crítica à autonomia da razão). Então, ao demonstrar-se que não é possível ser inerte perante as polarizações, é necessária uma resposta urgente, e satisfatória, para se portar, falar e posicionar perante esse espírito do tempo polarizador. A partir de tal conclusão, se analisa os pressupostos da filosofia política presente nos escritos de Agostinho de Hipona, traçando um ideal de política a partir da noção de amor fraternal ao próximo. Tais pressupostos, junto a um sincretismo aos escritos de Hannah Arendt sobre Aurélio Agostinho, constrói-se uma noção de impossibilidade de aniquilacionismo na política, mas, sim, de uma obrigatoriedade social e moral de tolerância para o outro, por meio do amor ao próximo, sendo Deus a figura central desse amor.

A IMPOSSÍVEL NEUTRALIDADE FRENTE ÀS POLARIZAÇÕES

No Brasil, vivemos em tempos de cólera. A polarização nas esferas da política, igreja e até mesmo familiar tem se tornado a evidência do que corresponde ao zeitgeist de nossa época. Os conflitos se pautam, cotidianamente, na defesa de ideologias ou narrativas, porém não através de um diálogo, mas, sim, da eliminação e invalidação da pessoa que está “do outro lado”.

Contudo, há uma razão para essa polarização, bem como uma esperança de superá-la. De forma geral, a percepção da realidade não é neutra, nem jamais poderia ser. Primeiramente, porque a “realidade” e as “convicções” de cada indivíduo é são o resultado de uma trama simbólica-imaginária, a qual é influenciada através dos estímulos recebidos por meio de sua formação (ou seja, como a família cria essa pessoa, qual educação teve, entre outros fatores).

Além disso, outro fator que demonstra a impossibilidade de ser “neutro” é a crítica à autonomia da razão, elaborada por Herman Dooyeweerd. Resumidamente, o jusfilósofo holandês trabalha em sua obra a noção de que inexiste a dita autonomia da razão, explicitando que todos possuem compreensões pretéritas que justificam, influenciam ou embasam certos pensamentos, sejam esses o Cristianismo, Humanismo, Ateísmo e diversos fatores (DOOYEWEERD, 2018).

Para o autor, não há problema em se ter fatores de influência, mas sim em dizer que existe uma autonomia da razão, advinda de um pensamento “neutro”. Então, a partir de tais pressupostos, é possível observar a impossibilidade da neutralidade em meio as polarizações que nos circundam. Contudo, ainda sim é necessária uma resposta de pacificação/resolução a tal dilema que tem gerado rachaduras profundas no mundo ocidental, nas mais diversas esferas.

A partir de tais pressupostos, é necessário se atentar a à filosofia política presente em Agostinho, e mais especificamente, em seus contornos cristãos. Em Confissões, sua “autobiografia” filosófica, observa-se a construção de um ideal de indivíduo que se faz necessário demonstrar.

A FILOSOFIA POLÍTICA EM AGOSTINHO DE HIPONA

Na obra, por diversas vezes, Agostinho relata que antes de conhecer a Deus, não amava a sua alma com o amor pleno, que traria a felicidade, mas, pelo contrário, o seu amor era dedicado a coisas terrenas, passageiras e voláteis. As vontades antes de sua conversão eram pecaminosas e desordenadas, como o próprio filósofo apontava, “Gostando de amar, procurava um objeto para esse amor: odiava a minha vida estável e o caminho isento de riscos, porque sentia dentro de mim uma fonte de alimento interior” (AGOSTINHO. 2017, p. 52)

Assim, vemos que o amor às coisas terrenas traz o pecado, as paixões levianas, e com uma liberdade poética autoral, a volatilidade dos gostos e ferocidade do ser em atacar tudo aquilo que se opõe ou discorda de tais paixões terrenas. Inclusive, tais paixões, que podemos chamar de ideologias, independente de seu aspecto político, condicionam a percepção da realidade e fatores externos, resultando em uma cegueira. Não composta pela escuridão de não se ver nada, mas uma “cegueira branca”, nos moldes de Saramago, onde a única coisa visível é a própria ideologia, a própria paixão terrena, não sendo mais possível ver o outro.

Contudo, o amor cristão, de Deus para com o homem, do homem para com Deus, e do Homem para com o próprio Homem, a partir de Deus, altera essa realidade de egoísmo e idolatria das ideologias. Tal análise foi bem percebida pela cientista política judia, Hannah Arendt, em sua tese de doutorado, O conceito de amor em Santo Agostinho (1997).

Em sua obra, a cientista política analisa o amor do homem para com Deus, e sua forma de expressão e devoção, relatando inclusive a necessidade de renúncia ao amor mundano, a paixão pelas coisas terrenas. Mas o ponto principal abordado por Hannah, e consequentemente o ponto que tem a maior importância no presente texto, é o amor ao próximo em seu sentido político, por meio de Deus.

Nesse contexto, o amor ao próximo, segundo Hannah, é o que liga o homem, de fato, a Deus. Pois exprime um amor verdadeiro, de caridade, amando todos os homens sem distinção. O amor que o homem precisa ter pelo outro se dá pelo fato de esse ter sido criado pelo mesmo Deus. Assim, inexiste diferença e critérios para o amor ao outro. Esse amor relacional exige do homem a sua completude, nas palavras da própria autora:

A verdadeira sociedade está fundada sobre o fato da fé comum. […] fundada sobre qualquer coisa que por princípio não é o mundo, é deste modo comunidade com o outro não porque ele esteja aí realmente no mundo, mas devido a uma possibilidade específica; depois, como esta possibilidade é a mais radical do ser do homem, esta comunidade da fé comum que se realiza no amor mútuo, exige o homem por inteiro […] tal como Deus o exige. (ARENDT, 1997, p. 152).

Logo, o amor pelo próximo e a sua necessidade máxima em sociedade traz uma resposta à impossibilidade de neutralidade frente às polarizações, mas, principalmente, uma resposta à polarização em si. Isso porque tal amor fraternal traz uma obrigação contínua, de que o outro não é, e não pode ser, o seu inimigo. Nas palavras de Agostinho, “o próximo é o homem a quem devemos prestar serviço de misericórdia, caso esteja em dificuldade, ou a quem devemos prestar ajuda, caso necessitasse” (AGOSTINHO, 2002, p. 77).

Assim, a filosofia política de Agostinho é assentada no amor cristão e a sua obrigação para com todos. Para o pensamento agostiniano, o amor constitui-se como o motor da ética. E a aplicação dessa em nossos tempos se faz necessário.

Afinal, a filosofia agostiniana, e [as] suas bases na teologia cristã e o amor intrínseco, funciona como um remédio satisfatório ao problema da miserabilidade humana nas esferas de polarização. Isso porque corresponde a uma alternativa à “cegueira branca” ideológica, na qual o indivíduo não enxerga, ou aceita, o que for diferente da “clareza” do seu pensamento ou convicção.

O amor na filosofia de Agostinho confronta o não enxergar, o aniquilacionismo do inimigo. Incide cirurgicamente nas falhas sociais, demonstrando que, mesmo que alguém discorde de duas ideias e visões políticas, não se trata de um inimigo. Com tal pressuposto, a ironia, a sátira, os ataques, na esfera pública se tornam inválidos. Pois a partir do momento em que amar o outro, tolerá-lo, e principalmente, auxiliá-lo, se torna uma obrigação e requisito para com o Amor de Deus, não há espaço para inimigos.

A ordem social se torna uma extensão da ordem moral, pautada na coesão de tolerância. A moralidade cristã de servir ao outro, na concepção agostiniana, é o princípio básico para uma vida em comunidade. O amor proposto na filosofia de Agostinho, dentro da política, é um atentado direto ao zeitgeist e suas consequências na sociedade ocidental.


Quer uma curadoria de conteúdo Teológico?
Clique aqui e participe do nosso Canal no Telegram.


REFERÊNCIAS

AGOSTINHO, Aurélio. A doutrina cristã: manual de exegese e formação cristã. Trad. Ir Nair de Assis Oliveira, csa. São Paulo: Paulus, 2002.

_____________ Confissões. Trad. Almiro Pisetta. São Paulo: Mundo Cristão, 2017.

ARENDT, Hannah. O conceito de amor em Santo Agostinho. Trad. Alberto Pereira Diniz. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

DOOYEWEERD, Herman. No crepúsculo do pensamento ocidental. Trad. Guilherme de Carvalho e Rodolfo Amorim de Souza. Brasília. Monergismo, 2018.

PINHEIRO, Luis Antônio. O compromisso ético-político em Santo Agostinho. In: VV.AA. Oração e compromisso em Santo Agostinho. São Paulo: Fabra, 1996.

1 comment

  1. Myzia Michaelle

    Uau, que texto primoroso! Uma reflexão que se faz necessária nos dias de hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *