A Razoabilidade da fé cristã em um mundo evidencialista: investigações com Alvin Plantinga

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrito por Bruno Maroni, estudante do Programa de Tutoria – Turma Avançada 2020

…o Espírito de Deus nos instrui e nos habilita para o entendimento e a obediência e, assim, cremos no coração e chegamos ao conhecimento.

Wadislau Martins Gomes

Introdução: a fé cristã no contexto epistemológico de hoje

Historicamente considerada extramundana, obscurantista e antagônica ao progresso científico, a fé cristã se tornou foco de ampla desconfiança na cultura ocidental contemporânea. Além disso, seu uso presunçoso e irresponsável por discursos políticos, bem como a indignação com os equívocos intencionais da cristandade (principalmente evangélica) têm colaborado ainda mais para a resistência e hostilidade ao cristianismo. De modo geral, os incômodos se expressam em críticas que definem a fé cristã como antiquada para o contexto epistemológico (de conhecimento) atual e carente de razoabilidade. Por que essa crítica?

A objeção de que o exame racional e científico desacredita a cosmovisão cristã (e mais, são conflituosos com ela) se tornou comum, popular, tanto nos círculos acadêmicos rigorosos quanto em páginas de neoateísmo no Facebook.  Afinal, apesar das experiências históricas negativas e reconfigurações pós-modernas, a ciência prevalece na confissão de fé de hoje em dia. Por isso, afirmações como a citada por Timothy Keller em A fé na era do ceticismo são corriqueiras: “Minha formação científica torna difícil, se não impossível, aceitar os ensinamentos do cristianismo” (2015, p. 113). Algumas críticas são apuradas e meticulosas, outras descuidadas e beligerantes, o que, porém, não restringe sua influência massiva. Mas essas críticas são viáveis? Que respostas a filosofia cristã apresenta à questão?

1. O empreendimento filosófico de Alvin Plantinga: a epistemologia reformada

Tratar de articulações filosóficas comprometidas com uma visão de mundo cristã é imprescindível sem a contribuição de Alvin Plantinga, renomado filósofo norte-americano, que lecionou em importantes universidades, e presidiu a American Philosophical Association e a Society of Christian Philosophers. Como um dos mais proeminentes autores da área na atualidade, Plantinga reconhecido por seus estudos em epistemologia, metafísica e filosofia da religião, também já recebeu o Prêmio Templeton. Entre suas obras estão: Ciência, Religião e Naturalismo: Onde Está o Conflito?, Conhecimento de Deus; Deus, a Liberdade e o Mal, Conhecimento e Crença Cristã e Crença Cristã Avalizada. A longa jornada de Plantinga é marcada por honestidade intelectual, refinamento crítico e rigor argumentativo. Seu empreendimento filosófico ficou conhecido por epistemologia reformada. Do que se trata?

A epistemologia reformada se desenvolveu na segunda metade do século 20. Alvin Plantinga e o também filósofo Nicholas Wolterstorff seguem sendo os representantes de referência dessa escola. Wolterstorff observa que a epistemologia reformada entrou em cena, definitivamente, em um momento da história da filosofia quando emergia a metaepistemologia, ou seja, uma revisão basilar das próprias teorias de conhecimento – sua natureza, possibilidades e limites. Ele diz: “Em vez de apenas avançar e desenvolver teorias epistemológicas, os filósofos se afastaram e refletiram seriamente sobre as opções estruturais disponíveis para eles na construção de tais teorias.” (apud BARTHOLOMEW, 2013, 241). Nesse contexto, Alvin Plantinga, demonstrando o motivo da epistemologia reformada, passou a propor, através de um esforço intelectual contundente e confessional, a legitimidade da crença cristã como ponto de partida para a composição filosófica. Mas que objeções perpassam essa proposta?

2. A fé cristã sob objeções: veracidade e razoabilidade

Hoje, como se observa ordinariamente, o sentido da crença cristã é contestado por objeções de teor biológico, histórico, filosófico, sociológico etc. Essas  reações à fé cristã apresentam dois tipos de críticas: de facto e de jure.  Do que se tratam?

A primeira, de acordo com Plantinga, é mais limitada e instável, questionando a veracidade dos conteúdos da crença cristã – ou seja, admitindo que ela é falsa (2015, n. p.). Por exemplo, identifica-se que o problema do mal no mundo – as crises, doenças, injustiças e violência – são contrafactuais à existência de um Deus amoroso, bondoso, onisciente e onipotente. A objeção de jure, mais comum e incisiva, por sua vez, não argumenta contra o conteúdo da crença cristã, mas sua forma. O que está em jogo, então, não é a veracidade ou não dos elementos da fé, mas sua razoabilidade – a estrutura da crença, sua validade e aval. Nesse caso, a questão pressuposta é: “Como a crença procede? Como creem os que creem?”.

A objeção de jure, portanto, é a afirmação que a fé cristã é irracional ou injustificada ou talvez imoral; mais exatamente, alega-se que a pessoa que abraça a fé cristã é irracional, não dispõe de justificativa para isso ou é, de outro modo, merecedora de desaprovação. […] ela é também o tipo mais comum de objeção.” (PLANTINGA, 2015, n.p.)

Em Conhecimento e Crença Cristã, Plantinga elenca, resumidamente, cinco vias críticas subpostas à objeção de jure. Primeiro, objetores alegam que a razoabilidade do cristianismo seria até válida no passado, mas por que continuaria sendo no período após múltiplos avanços científicos? Assim, é como se, ao admitir a fé cristã, uma pessoa bem informada se tornasse intelectualmente irresponsável. Claro, o próprio Alvin Plantinga expõe extensivamente em outros trabalhos que não há conflito entre religião e ciência, mas sim o embate da visão de mundo cristã com a ciência conduzida pelo naturalismo. Em segundo lugar, há também objeções enfáticas sobre o pluralismo religioso, que se mostra em uma indagação bastante comum: “Por que só o cristianismo está certo?”. Na contemporaneidade de intensa pluralidade essa crítica é praticamente inevitável. Em terceiro lugar, supõe-se que afirmar exclusivamente uma crença em detrimento de outras, consiste em arrogância intelectual.

Em quarto lugar também corriqueiramente, objetores asseguram que para que o cristianismo seja justificado, requer-se evidência e argumentação propositiva. E em quinto lugar, supõe-se que a crença cristã não é razoável porque, ao invés de proceder de um mecanismo que visa o conhecimento, vem de uma faculdade cujo fim é a realização de desejos inconscientes. O objetivo aqui não é a verdade, mas o bem-estar em um mundo hostil. Esse é o cerne da tese freudiana a respeito da gênese da religiosidade (2015, n. p.).  Agora, de volta à comum objeção evidencialista, revendo suas raízes, podemos perceber se ela é ou não um anulador consistente à crença cristã.

3. De onde vem o evidencialismo: o fundacionismo predominante

O evidencialismo vem, basicamente, da revolução científica ratificada no Iluminismo (c. séculos 17 e 18). Localizá-lo historicamente é válido, mas não tão elucidativo quanto visualizá-lo a partir da tendência filosófica que, em linhas gerais, sustenta-o, no caso, o fundacionismo. Entre outros, René Descartes e John Locke foram referências para o cenário cultural decorrente. Enquanto Descartes, incomodado pela desordem racional por parte de uma Europa fragmentada pós-reforma, assumiu que a razão deveria ocupar o posto de critério julgador do todo da realidade, Locke propôs a compreensão empirista do conhecimento humano (dedução + intermediação = certeza).

Na perspectiva iluminista, a razão científica devia ser autônoma, liberta de uma fé (cristã) cada vez mais rejeitada como obscurantista, ignorante e supersticiosa. Além disso, a razão científica devia ser instrumental, empregada para controlar, predizer e moldar o mundo. Por último, a razão científica devia ser universal, transcendendo a cultura e história humanas, discernindo leis que se aplicam a todas as pessoas em todas as épocas. (GOHEEN; BARTHOLOMEW, 2016, p 144)

Como sugere o próprio nome fundacionismo, trata-se da noção de que a razoabilidade de uma crença presume exigir que ela esteja sobre um fundamento. Em outras palavras, requer-se basicidade. Com que base podemos crer que o Deus Eterno é Deus de amor em ação no mundo, reconciliando-o em Cristo e através do Espírito? Que base legitima a Bíblia como revelação desse Deus? Essas indagações pressupõem a tese fundacionista. Segundo essa perspectiva, de acordo com Plantinga, as proposições fundamentais: “que aceito desse modo básico são as fundações da minha estrutura de crenças […] Vendo que só algumas proposições parecem apropriadamente básicas, um fundacionista pode passar a estabelecer condições de basicidade apropriada” – identificando, por si, determinadas proposições que passam por essa condições e outras não (2018, p. 106-107). Em síntese, fundacionismo clássico confirma a crença que se mostra auto evidente, incorrigível e evidente aos sentidos.

Essa noção compreende que uma crença religiosa é razoável caso seja fundamentada em evidências ou indícios – comprovações que a afirmem ou negam. Ou seja: precisamos de evidências que procedem da experiência e da razão para fundar nossas crenças. É o que motiva a conhecida apologética cristã evidencialista, que se apoia em dados científicos e achados históricos para contra-argumentar às objeções que acusam escassez de evidências. Embora válida, essa proposta apologética torna-se mais frágil considerando a fragilidade da própria objeção que ela enfrenta. Por que seria considerada frágil essa objeção?

4. Problemas inerentes: a contradição do fundacionismo

Em Crença Cristã Avalizada, Alvin Plantinga rastreia historicamente os motivos do fundacionismo e suas expressões. Através dessa minuciosa análise, ele identifica que o fundacionismo clássico, que impõe o dever da justificação da crença considerando seus próprios paradigmas, na verdade compromete-se por suas próprias exigências. Ora, por que seria imprescindível que a crença cristã se submetesse aos requisitos fundacionistas sendo que essa mesma tendência não cumpre suas próprias prescrições? Plantinga, em sua crítica, afirma que o fundacionismo não é auto evidente, incorrigível e evidente aos sentidos – por isso, ele não se justifica.

A filosofia recente não tem sido muito simpática ao fundacionalismo clássico; muitas objeções foram levantadas, muitos problemas foram apontados. […] o fundacionalismo clássico parece autorreferencialmente incoerente: estabelece um padrão da crença justificada a que ele mesmo não obedece. Mais exatamente, o fundacionalismo clássico, ao afirmar fundacionalismo clássico (e presumivelmente acreditar nele), estabelece um padrão para que tenhamos justificação, não tenhamos culpa, façamos jus aos nossos direitos intelectuais – um padrão, contudo, a que a sua própria crença na imagem clássica não obedece. (2018, p. 115)

Por exemplo, como estabelecemos crenças básicas? Averiguando dados empiricamente e filtrando-os racionalmente, retendo proposições e as analisando? De fato, não. Nossas crenças básicas se formam espontaneamente, de imediato e até involuntariamente. Quando olho para determinado objeto, creio que o vejo, sem que essa crença passe por um processo de averiguação fundacional para ser validada. Podemos dizer que crenças básicas compõem nossa vivência ordinária.

Considerações finais: conhecimento e crença, e a basicidade da fé cristã 

Olhando para as colocações da epistemologia reformada, especialmente para a contribuição de Alvin Plantinga, temos a oportunidade de perceber não só uma resposta crítica rigorosamente encadeada, mas também uma exposição propositiva. Mais do que discernir e interceptar as objeções à crença cristã, o autor também apresenta a razoabilidade dela própria. Então, se não são evidências fundamentadas proposicionalmente, o que torna a crença cristã justificada? A base da crença cristã não está na argumentação proposicional – ela não é uma hipótese científica. Embora possamos conhecer certas evidências (o que é muito válido), compreender e até concordar com argumentos a favor da existência de Deus, por exemplo, não dependemos disso para crer. A crença cristã é básica em si.

Portanto, do que procede a crença? Ela é formada pela ação sobrenatural do Espírito Santo no coração, na centralidade da experiência humana, por meio do vislumbre do amor divino, gerando fé e redirecionando nossa confiança ao Deus que se revela. Esse ato desperta a crença que é determinantemente não controlável, espontânea, e não por isso irrazoável. Diante disso, de um cenário fundacionista/evidencialista ainda prevalecente, é necessário reconsiderar as afirmações de que o cristianismo é desprovido de bases, fundamentos, que o justifiquem. Ao invés disso, devemos admitir as inconsistências dos próprios julgamentos epistemológicos aos quais incorremos – eles mesmos têm fundamento? Por último, precisamos recordar da transformação cognitiva que o Espírito Santo opera em nós, restaurando o nosso conhecimento, e também do papel decisivo que Ele tem na formulação da crença cristã, que é, em si, avalizada.

O convite interno do Espírito Santo é consequentemente uma fonte de crença, um processo cognitivo que produz em nós a crença nas linhas principais da narrativa cristã. (PLANTINGA, 2018, p. 221).


Referências bibliográficas

GOHEEN, Michael W; BARTHOLOMEW, Craig G. Christian philosophy: a systematic and narrative introduction. Edição Kindle: 2013.

GOHEEN, Michael W; BARTHOLOMEW, Craig G. Introdução à cosmovisão cristã: vivendo na intersecção entre a narrativa bíblica e a contemporânea. Trad. Márcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2016.

KELLER, Timothy. A fé na era do ceticismo: como a razão explica Deus. Trad. Regina Lyra. São Paulo: Vida Nova, 2014.

PLANTINGA, Alvin. Crença cristã avalizada. Trad. Desidério Murcho. São Paulo: Vida Nova, 2018.

___________ Conhecimento e crença. Trad. Sérgio Ricardo Neves de Miranda. Brasília: Monergismo, 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *