Do pó da terra à alma política

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrito por João L. Uliana Filho, estudante do Programa de Tutoria – Turma Avançada 2020

INTRODUÇÃO

Religião e política são sempre assuntos delicados, especialmente quando tratados na esfera pública. É o campo das tensões, das controvérsias, das razões e das paixões. Ainda que os Homens arroguem imparcialidade e pragmatismo, com ares de sofisticação, “nossa vida privada foi de tal forma politizada que se transformou no palco central da ação [e do debate] público atual” (DULCI, 2018: 71).

Esta reflexão em forma de artigo procura articular no pensamento político a raiz que orienta os cristãos a desempenharem funções públicas coerentes com o Evangelho de Jesus Cristo.

1 – IDENTIFICANDO A ANTÍTESE

O primeiro capítulo de “Visões e Ilusões Políticas” (INTRODUÇÃO: ideologia, religião e idolatria; Vida Nova, 2014) escrito pelo cientista político David Koyzis é brilhante para nos situar no universo político contemporâneo. Por mais que nos sintamos alheios às questões públicas, reduzidas ao voto descompromissado em época de eleições, Koyzis mostra como o debate público não apenas nos atinge diretamente, mas como estamos diametralmente inclinados às suas postulações.

Portanto, nunca foi tão imperativo construirmos um diálogo sólido e “vigoroso para a ação política contemporânea” (DULCI, 2018: 27), que seja capaz de identificar pontos de contato entre a fé cristã e a ação política existente, além de manter as antíteses, fruto dos compromissos últimos do coração dos Homens, que dirigem e orientam suas ações.

Para esta articulação, portanto, identificar as ideologias com as antigas idolatrias é fundamental, e nisso Koyzis é preciso. Sabendo que ideologia já foi vista tanto como algo positivo quanto negativo na história do pensamento ocidental, Koyzis deixa claro desde o início que as ideologias atuais são como “tipos modernos do fenômeno perene da idolatria” bíblica, e na sequência explicita o motivo, porque há “no seu bojo [das ideologias] suas próprias teorias sobre o pecado e a redenção” (KOYZIS, 2014: 18).

A tese de Koyzis é relativamente simples para aqueles que estão minimamente familiarizados com o texto bíblico. A idolatria surge da ação humana que separa um aspecto da realidade criada por Deus, sublimando-o em detrimento dos outros. Isso foi feito pelos egípcios quando escolheram o sol (Rá) como seu deus, como também pelo povo de Israel, no deserto, quando confeccionou para si um deus de ouro cuja forma era a de um bezerro (cf. Êxodo 32). As ideologias políticas na modernidade não se apegam mais ao sol ou aos animais, mas a conceitos abstratos mais sofisticados como a liberdade, o Estado, a nação, e a democracia, para citar alguns exemplos que são tratados por David Koyzis mais detalhadamente em Visões e Ilusões Políticas.

Isso é tão problemático que pensadores não cristãos como Marx e Hannah Arendt viram a ideologia como um pensamento fundamentalmente errôneo por serem justamente uma “falsificação da realidade” (KOYZIS, 2014: 25). Ou seja, nenhuma ideologia política pode ser abrangente o suficiente para dar conta de toda a realidade, o que a faz substancialmente idólatra. Ao partir de um aspecto isolado ela usa óculos distorcidos para analisar a realidade. Qualquer normatividade que surja estará contaminada desde sua origem.

Contudo, as ideologias são ao mesmo tempo bastante atraentes, pois ao fragmentar a realidade elevando um de seus aspectos sobre os demais, a ideologia arma o campo de batalha, elege seus demônios e apresenta seu messias. Uma ideologia carrega, então, uma gama de ideias que transforma-se num sistema normativo para a comunidade. Mas não só isso, pois, como Koyzis afirma “a ideologia em si é fundamentalmente psicológica em sua natureza” (KOYZIS, 2014: 22), ou seja, suas raízes são mais profundas do que as ações que vemos na superfície, e é isso que nos interessa.

Uma teologia pública saudável e bem ordenada precisa reconhecer nas ideologias políticas seus aspectos idólatras. Vejamos o caso do liberalismo, onde o indivíduo autônomo torna-se soberano sobre qualquer ideia de bem comum. Assim, não há qualquer espaço para a concepção particular do bem. Koyzis resume a questão dizendo que, em favor da total liberdade o Estado não pode “convocar os cidadãos a assumir suas responsabilidades”, mas “exige que o governo subsidie o comportamento irresponsável” (KOYZIS, 2014: 77). Assim, em nome da liberdade, instituições como o casamento e a família são considerados meros contratos feitos e desfeitos a mercê de indivíduos e circunstâncias – eis a “soteriologia da liberdade”. Koyzis aborda ainda o socialismo, a democracia, o nacionalismo e o conservadorismo em sua reflexão, mostrando que todas essas ideologias têm em comum a pretensão de elevar normativamente um bem da criação sobre todos os outros.

Será preciso, então, distinguir uma ação biblicamente orientada, obediente a Jesus Cristo, e alicerçada na verdade, daquelas outras que se perdem, reduzidas aos elementos finitos da criação. Manter essa antítese é crucial para a manutenção da verdade, além de impedir que cristãos, sim, dotados de boas intenções, acabem abraçando uma ideologia igualmente idólatra apenas por parecem ser a melhor opção. Não precisamos fazer isso.

2 – PARTINDO PARA O DIÁLOGO

Reconhecer a natureza idólatra das ideologias que regem a política e a ação pública, para o cristão, é libertador. Não somos obrigados a aceitar qualquer pacote de interesses, mas podemos vislumbrar a bondade e a beleza que estão incorporadas na criação de Deus, e desfrutar delas, sem fazer-nos seus súditos. Autenticando, portanto, que há sim normatividade na Criação, mas que ela não é dada pelos interesses reducionistas dos Homens, antes, que esta lei transcende os aspectos da realidade natural vindo diretamente de Deus, e isso muda tudo.

O que está em jogo, portanto, é a vida como um todo. Aos políticos profissionais, a religião não está mais confinada à esfera privada, como esteve no período clássico grego; aos religiosos, especialmente cristãos, vale a proposição do filósofo canadense James K. Smith, citado pelo teólogo Pedro Dulci: “existe algo de político em jogo em nosso culto e algo de religioso em jogo em nossa política” (DULCI, 2018: 28). Se nosso modelo político ideológico é idólatra, como aponta David Koyzis, toda a formulação e organização pública são de fato religiosas e não apenas seculares ou laicos. Não há dualismo entre esfera pública e privada, entre o sagrado e o profano lateralmente opostos, mas uma única realidade, da qual, o cristão não pode e não precisa eximir-se em nada. Pelo contrário, ele é quem possui as categorias próprias para sondar a realidade e propor um caminho sólido em direção à verdade.

Pode soar presunção afirmar que os cristãos e a Escritura têm as respostas para aquilo que a humanidade tem se perguntado há séculos, mas não há motivo para sermos tímidos. O debate político cada vez mais flerta com as polarizações de um pensamento dualista, e isso ocorre inclusive conosco, cristãos, quando não somos capazes de identificar as ideologias como elas de fato são, desobedientes à ordem do Criador, visto que adoram a criatura no lugar do Criador (cf. Romanos 1: 25).

Portanto, igreja é lugar sim de falarmos sobre política, porque podemos valorizar a liberdade individual que os liberais tanto prezam, sem nos esquecermos da dimensão comunitária do bem comum, questão cara aos nacionalistas e socialistas, porque os óculos que utilizamos não estão distorcidos, ou melhor, conforme atesta Koyzis, “essa [nossa] cosmovisão se fundamenta na narrativa histórico-redentora encontrada na Escritura” (KOYZIS, 2014: 219). A narrativa à qual Koyzis se refere, não começa numa antropologia filosófica finita, mas numa cosmologia, ou seja, partimos do princípio que “nosso mundo pertence a Deus”, e nós somos parte dessa Criação. Sabendo disso, cientes também que essa Criação caiu em pecado se afastando do Criador, e que em Cristo tem início a redenção de toda a Criação, estamos munidos das categorias suficientes para redirecionarmos todas as coisas para Aquele que as criou, sustentou e redimiu para Si. “O alcance cósmico da redenção significa que a vida como um todo é redimida, incluindo a família, o trabalho, a recreação, a vida acadêmica e a vida política” (KOYZIS, 2014: 230).

A possibilidade do diálogo que preserva a antítese se dá no fato de que não assumimos um dos lados do dualismo político, que só empobrece, reduz e limita a discussão em opiniões acaloradas. Reconhecemos momentos de verdade em todas as coisas, segundo a graça de Deus que perpassa toda a Criação, louvamos a Deus por eles, e buscamos o reino de Deus, enquanto aguardamos sua plena manifestação.

3 – A ALMA DO NEGÓCIO

Esta terceira parte já nos encaminha para a conclusão e aqui queremos dar um passo de vital importância, sem o qual pouco se aproveitará da reflexão feita até aqui. Pedro Dulci sintetiza nossa preocupação em poucas palavras: “o que não pode acontecer é a substituição da narrativa bíblica por racionalidade neutra e universal” (DULCI, 2018: 132). E mais a frente ele mesmo afirma que “em essência, não é uma questão de escolha político-partidária, mas de regeneração do coração pela Palavra de Deus” (DULCI, 2018: 135).

Se pensarmos que toda a construção da ideologia e, por extensão, de toda atividade pública, dependem imprescindivelmente da orientação do coração humano – e por isso afirmamos acima que estamos falando de regeneração, esta categoria teológica que indica uma mudança de estado completo, antes apóstata, agora redimido – não basta criarmos as melhores plataformas políticas, nem mesmo reconhecer que nossa ação atual é idólatra, se é que isso é possível antes da regeneração do coração. Ainda que façamos isso, nosso projeto está fadado ao fracasso. “Para o cristão biblicamente correto, não existem ocupações sacras e seculares, e sim obedientes e desobedientes” (KOYZIS, 2014: 213) – porque todas as coisas serão julgadas não pelo padrão mais racional e ético ou menos idólatra, mas pelo padrão do Criador.

Sem tal reorientação do centro vital de ser humano, continuaremos buscando recursos em algo autônomo da criação, e, como o filósofo cristão dinamarquês Soren Kierkegaard diz em um de seus papers, “é tão difícil acreditar, porque é tão difícil obedecer”. O que ele quer dizer é que no mundo de Deus o ser humano está sempre diante de uma condição inescapável, à qual só é possível responder em fé obediente ou em ofensa rebelde. Não há possibilidade de indiferença.

O drama das Escrituras, emprestando o termo do teólogo americano Kevin Vanhoozer, é o ponto de partida e de chegada não só do cristão mas de toda a Criação. Seguindo a Reforma Protestante, Kierkegaard não procura sintetizar a fé e a História, ele sabe que a antítese é inevitável no estado atual do mundo, mas que Jesus Cristo é o redentor de todas as coisas. Não o Absoluto impessoal da filosofia ou da teologia Natural, que mostra-se neutro e ambíguo, mas o Deus-trino, pessoal, que vive e reina desde o coração humano, e sobre toda a sua Criação.

CONCLUSÃO

A igreja não deve guiar-se por aquilo que soa mais bíblico mas que parte de motivos idólatras que ofendem a Deus e contrariam a ordem da Criação. Jesus não era socialista, liberal ou democrata, ainda que cada uma dessas ideologias políticas tenham seus resquícios de verdade.

A responsabilidade da igreja, no entanto, está em “discipular os melhores médicos, assistentes sociais, artistas, cientistas e todo tipo de profissional relevante em sua esfera de competência” (DULCI, 2018: 152), assim, a política deixará de ser tão somente o pó desta terra, para tornar-se uma realidade viva e guiada pelo Espírito Santo, para o bem dos Homens e para a glória de Deus.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BÍBLIA SAGRADA. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil, 3ª ed (Nova Almeida Atualizada). Barueri/SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2018.

DULCI, Pedro L. Fé Cristã e Ação Política: a relevância da espiritualidade cristã. Viçosa/MG: Ultimato, 2018.

GOUVÊA, Ricardo Quadros. Paixão Pelo Paradoxo: uma introdução à Kierkegaard. São Paulo: Novo Século, 2000.

KOYZIS, David T. Visões e Ilusões Políticas: uma análise e crítica cristã das ideologias contemporâneas. Tradução de Lucas G. Freire. São Paulo: Vida Nova 2014.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *