fbpx

Iluminismo, doutrina e tradição: a necessidade do resgate da doutrina para a identidade cristã

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrito por Felipe de Souza Marques, estudante do Programa de Tutoria Avançada 2022

Introdução

O presente artigo aborda a relação entre o preconceito iluminista contra a tradição e o enfraquecimento da doutrina no cristianismo moderno. O objetivo é apresentar a necessidade de resgatar a doutrina como definidora da identidade cristã, mesmo em um período cultural marcado pela suspeita em relação ao papel da doutrina e da tradição. 

Kevin Vanhoozer, importante teólogo cristão, ressalta o desaparecimento da doutrina na igreja cristã contemporânea (VANHOOZER, 2016, p. 11). As causas para isso, como ele mesmo apresenta, são variadas. Nesse sentido, o Iluminismo inaugurou muitos dos dilemas que vivenciamos atualmente em relação ao papel da doutrina e da tradição, conforme será apresentado. O pensamento iluminista produziu efeitos profundos na sociedade e também no cristianismo e, por isso, é motivo de constante análise.

Para tal investigação, o presente artigo se estruturará em três tópicos. No primeiro, será abordada a relação do Iluminismo com a doutrina e a tradição. No segundo tópico, a necessidade do resgate da doutrina como definidora da identidade cristã. Por fim, o artigo se encerrará com as considerações finais.

1. O iluminismo e a suspeita com a doutrina e a tradição

Diante da amplitude do movimento Iluminista, não é tarefa fácil trazer uma definição definitiva ou que englobe todos os seus aspectos. Para McGrath, o Iluminismo é caracterizado por uma nova postura em relação ao uso da razão, instrumentalizada para o combate aos mitos que, segundo eles, impediam a sociedade de alcançar o tão desejado progresso (MCGRATH, 2005, p. 125).

O dicionário de cristianismo e ciência destaca algumas características principais do Iluminismo, entre elas, a forte ênfase na autonomia da razão e da ciência para chegar ao conhecimento das grandes questões humanas e a crença no progresso da humanidade (COPAN, 2018, p. 411).

Com sua forte ênfase em torno da suposta autonomia racional individual e da primazia das experiências sensoriais presentes, o Iluminismo plantou uma grande dúvida em relação ao conhecimento oriundo da tradição (MCGRATH, 2015, p. 166). Conforme colocado por McGrath, o Iluminismo carregava a pretensão de alcançar um ponto de vista livre e universal, autorizado para avaliar todas as doutrinas e tradições do passado e do presente, enquanto estava cego para a ideia de que o próprio Iluminismo fazia parte de uma tradição específica (MCGRATH, 2015, p. 215).

Conquanto alguns ainda tentem sustentar que o Iluminismo foi o despertar para a iluminação humana, muitos autores já chamaram a atenção para o fato de que o Iluminismo trouxe uma nova história, com seu próprio corpo doutrinário e sua própria tradição. N.T. Wright observou que o conflito entre o Iluminismo e o cristianismo teve sua origem na percepção de que a história definitiva para a transformação do mundo é a da Europa do século XVIII, não a de Jesus de Nazaré (WRIGHT, 2019, p. 179). Segundo ele, a consequência foi a redução do cristianismo a um conjunto de ensinamentos morais (WRIGHT, 2019, p. 180).

A dúvida lançada contra a tradição foi um desenvolvimento natural do individualismo, característica crucial do Iluminismo. A experiência presente é colocada em um pedestal de confiança, enquanto os ensinamentos que recebemos são sempre duvidosos (MCGRATH, 2015, p. 166). A confiança dos pensadores Iluministas fica particularmente evidente nesse ponto, visto que assumiam a possibilidade da aceitação de algumas tradições, contanto que fossem corrigidas. A pergunta inevitável é: corrigidas segundo qual parâmetro? Segundo a experiência contemporânea (MCGRATH, 2015, p. 167). Diante disso, podemos entender a crítica Iluminista aos milagres. O pano de fundo é a profunda confiança na autonomia da razão humana e a suspeita com o passado.

Essa racionalidade exclusiva, crença de que nenhum tipo de conhecimento merece confiança a menos que seja possível provar por meio da experiência, trouxe sérias limitações para a vivência tão multifacetada que carregamos conosco. Em primeiro lugar, não conseguimos sustentar esse padrão para toda a existência. Alguém assim não conseguiria acreditar em praticamente nada (KELLER, 2018, p. 51). Em segundo lugar, as estruturas de racionalidades não surgem num vácuo histórico, mas são formadas a partir de “fatores como a existência social e a linguagem, de modo que o ‘indivíduo racional autônomo’ — critério sobre o qual a epistemologia do Iluminismo deposita tanto peso — talvez precise ser entendido como um construto social” (MCGRATH, 2015, p. 169).

Todo o preconceito Iluminista com a tradição acabou por formar um ambiente favorável ao enfraquecimento doutrinário. Isso porque “como a doutrina decorre do confronto com a tradição relativa a Jesus de Nazaré, doutrina e história são inseparáveis” (MCGRATH, 2015, p. 202). Embora a discussão sobre a relação entre doutrina e tradição esteja em aberto, nós recebemos a fé cristã “por meio da tradição histórica, transmitida e propagada por meio de uma comunidade de fé” (MCGRATH, 2015, p. 202). Portanto, a premissa antitradição do Iluminismo também é uma reação antidoutrinária.

O que significa, então, dizer que houve um enfraquecimento doutrinário? Significa que a história de Jesus de Nazaré deixou de ser o explicandum (termo utilizado por McGrath) basilar para a identidade cristã. Outras histórias passaram a ser a pedra angular, ocasionando uma deturpação e fragmentação da identidade cristã ligada à história de Jesus de Nazaré.

Se as formulações doutrinárias eram condicionadas historicamente e a razão humana era suficiente, como propuseram os iluministas, os cristãos deveriam abandonar ou reconstruir as doutrinas cristãs à luz da razão e da experiência, lócus da autoridade a partir do Iluminismo. Algumas consequências teológicas foram a reinterpretação da identidade de Jesus Cristo, a reflexão sobre a possibilidade dos milagres e o surgimento de movimentos teológicos seguindo diversas linhas, como o romantismo, o marxismo, o protestantismo liberal e a teologia da libertação (MCGRATH, 2005, p. 129 – 155). 

Todas essas linhas são caracterizadas por um rompimento com o passado e o enfraquecimento de doutrinas do núcleo mais duro do cristianismo. A doutrina seria, nesse novo contexto, ora relegada ao ostracismo, ora diluída até o limite.

2. A necessidade de resgatar a doutrina como definidora da identidade cristã

Segundo Vanhoozer, a doutrina não é um assunto meramente abstrato e sem concretude, mas “a essência da vida real” (VANHOOZER, 2016, p. 18). Se, para os cristãos, a verdadeira vida está em Cristo, “o propósito da doutrina é conduzir-nos com precisão por esse caminho” (VANHOOZER, 2016, p. 18).

A doutrina faz afirmações de verdade (MCGRATH, 2015, p. 55) e orienta nossa atuação no grande drama da redenção (VANHOOZER, 2016, p. 118). Como seres finitos e dotados de uma localização histórica limitada, não temos todas as opções diante de nós e tampouco podemos conhecer todas as coisas, seja por meio da razão ou da experiência sensorial. Como colocou Vanhoozer, “sem ajuda, a razão não pode nos dizer por que estamos aqui nem o que devemos fazer” (VANHOOZER, 2016, p. 17). Da mesma maneira, a experiência. Sem ajuda, ela não pode nos dizer por que estamos aqui nem o que devemos fazer.

A crise moderna da falta de sentido é também a crise do sumiço da doutrina, visto que “a doutrina cristã, consequência ponderada da busca de entendimento bíblico empreendida pela fé, responde a cada uma dessas condições culturais e espirituais” (VANHOOZER, 2016, p. 18).

Se a doutrina, como pontuou McGrath, confere identidade à comunidade (MCGRATH, 2015, p. 56), a ausência da doutrina insere essa comunidade em um vácuo existencial. Contudo, “tanto a natureza quanto a sociedade abominam o vácuo, e há muitas ideologias e agendas esperando para correr e encher a mente e o coração dos descompromissados” (VANHOOZER, 2016, p. 19). Portanto, o resultado natural de uma igreja que abdicou da doutrina é a importação de outras histórias como definidoras para a identidade da comunidade.

Considerações finais

O Iluminismo deixou sua marca tanto na sociedade quanto na igreja do mundo moderno. Desde o seu surgimento, a tradição e a doutrina enfrentaram um forte enfraquecimento, ocasionando diversas introduções ideológicas e narrativas na comunidade cristã, bem como uma crise existencial oriunda da falta de direção.

Sem a doutrina, a diferenciação da igreja em relação ao mundo e o cumprimento de sua tarefa exclusiva ficam nitidamente prejudicado.  Desde o primeiro século, a igreja se diferencia de qualquer outra instituição humana por meio da demarcação da doutrina (MCGRATH, 2015, p. 59). A conclusão natural, portanto, é que, desprovida da doutrina, a igreja deixa de realizar sua tarefa exclusiva e perde sua identidade particular, recebida por intermédio de seu “compromisso com a história de Jesus” (VANHOOZER, 2016, p. 109).


Quer estudar com a gente?
Conheça o Loop e tenha acesso a mais de 20 cursos!


Referências

COPAN, Paul. Dicionário de cristianismo e ciência: obra de referência definitiva para a interação entre fé e ciência contemporânea. Trad. Paulo Sartor Jr.. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2018.

KELLER, Timothy. Deus na era secular: como os céticos podem encontrar sentido no cristianismo. Trad. Jurandy Brawo. São Paulo: Vida Nova, 2018.

MCGRATH, Alister E. A gênese da doutrina: fundamentos da crítica doutrinária. Trad. A.G. Mendes. São Paulo: Vida Nova, 2015.

MCGRATH, Alister E. Teologia sistemática, histórica e filosófica: uma introdução à teologia cristã. Trad. Marisa K.A. de Siqueira Lopes. São Paulo: Shedd Publicações, 2005.

VANHOOZER, Kevin J. O drama da doutrina: uma abordagem canônico-linguística da teologia cristã. Trad. Daniel de Oliveira. São Paulo: Vida Nova, 2016.

WRIGHT, Nicholas T. Como Deus se tornou rei. Trad. Elissamai Bauleo. Rio de Janeiro: Thomas Nelson, 2019.