fbpx

Resenha: A batalha pertence ao Senhor

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrita por Rebeca de Queiroz Batista, estudante do Programa de Tutoria Essencial 2022


OLIPHINT, K. S. A batalha pertence ao Senhor: o poder das Escrituras para a defesa de nossa fé. Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto; Marcelo Heberts. Brasília: Monergismo, 2013. 188 p.


A obra A batalha pertence ao Senhor, de Scott Oliphint, foi publicada em português no ano de 2013 pela editora Monergismo. Composto por 188 páginas divididas em introdução, seis capítulos, conclusão e dois apêndices, o livro aborda a apologética a partir de um posicionamento pressuposicionalista. Oliphint defende a ideia de que a apologética deve ser feita considerando a Bíblia como fonte primária de prova e orientação e, portanto, o objetivo da obra “é indicar os princípios bíblicos que fornecerão um fundamento para essa tarefa [apologética]” (p. 7). Com uma linguagem acessível e uma escrita fluida, o autor leva seus leitores a percorrerem a Palavra de Deus aprofundando alguns textos-chave para o fazer apologético. Uma sugestão apresentada no prefácio é a de estudar o livro em pequenos grupos de estudo, com a possibilidade de elaborar respostas para as perguntas propostas pelo autor no final de cada capítulo. 

Na introdução, o autor apresenta a forma clássica de se fazer apologética e expõe por que essa não pode ser considerada a melhor forma, informando ao leitor que seu objetivo é levá-lo a enxergar a apologética como essencial à vida do cristão, e a Bíblia como principal recurso apologético. Nessa seção, o autor também apresenta a passagem de 1Samuel 17, de onde retira três princípios que podem ser considerados ao se pensar em apologética e como eles se relacionam com a batalha que pertence ao Senhor dos Exércitos. 

Nos três primeiros capítulos, Oliphint reforça como a apologética é importante na vida de todo cristão. No primeiro capítulo, ele utiliza o texto de 1Pedro 3.15-17 para mostrar como o apóstolo Pedro nos dá uma perspectiva de como devemos defender nossa fé e que a Bíblia é a principal fonte para isso, sendo Deus o maior interessado nessa batalha. O autor também nos apresenta como podemos olhar para a Bíblia pensando no exercício de meditar nos textos bíblicos e fazer perguntas de sondagem destes textos. No segundo capítulo, Oliphint traz uma perspectiva sobre o livro de Judas e como a apologética pode e precisa ser usada com os de dentro da igreja. Os falsos mestres não existiram apenas no Novo Testamento, mas precisam ser combatidos pela Palavra até hoje. No terceiro capítulo, o teólogo utiliza de 2Coríntios 10.3-5 para lembrar que a Bíblia deve ser nossa autoridade última e que não devemos nos amedrontar diante da necessidade de defender a fé, principalmente dos falsos mestres. Ele também chama a atenção para como devemos realizar esta tarefa de modo humilde e manso, embora com autoridade.

No quarto capítulo, Oliphint aborda o texto de Romanos 1, enfatizando que o evangelho é o poder de Deus e que este deve ser apresentado aos incrédulos, mesmo que eles não creiam, pois, essa é a verdade que deve ser considerada, não o que o incrédulo acredita. O autor também enfatiza o que é a ira de Deus, dando uma introdução ao tema que será abordado posteriormente. 

No capítulo cinco, o autor se dispõe a mostrar, através da Palavra, como o ser humano tem um conhecimento de Deus, porque este se fez conhecido a todos, o que faz com que todos estejam em um relacionamento com Deus (embora nem todos estejam num relacionamento salvífico com Ele).  A partir daí, o autor traz o conceito de que todos adoram um ídolo quando não adoram ao Deus verdadeiro. No capítulo seis, Oliphint utiliza o texto de Atos 17 para mostrar algumas das estratégias que Paulo usou para apresentar o evangelho aos atenienses de uma forma que houvesse um ponto de contato com eles, mas trazendo suas premissas verdadeiras para a luz de Cristo, para eles poderem encontrar a verdade que há em Jesus. O autor apresenta a importância da persuasão e como o apóstolo Paulo fazia apologética. 

Após a conclusão, o autor ainda apresenta dois apêndices, sendo o último um guia de passagens bíblicas que podem ajudar com os princípios apresentados no livro. Com uma linguagem acessível, a obra de Scott Oliphint nos aproxima da Bíblia e de como podemos fazer a apologética a partir dela. A leitura desse livro, além de trazer elementos práticos, anima e encoraja todos os cristãos a se esforçarem para estar “preparados para responder a qualquer pessoa que vos questionar quanto à esperança que há em vós”.