fbpx

Resenha: Apologética para a glória de Deus

Share on telegram
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Escrita por Matheus Kevin da Silva Pelegrini, estudante do Programa de Tutoria – Turma Essencial 2021


FRAME, John. Apologética para a glória de Deus: uma introdução. Trad. Wadislau Gomes. São Paulo: Cultura Cristã, 2010.


Apologética para a glória de Deus é uma introdução à apologética cristã através de uma perspectiva reformada. Como introdução, John Frame aborda as bases e os principais tópicos da disciplina em questão. O livro possui nove capítulos que se dividem em quatro partes. Os capítulos um e dois abordam os fundamentos teóricos da apologética e do conteúdo de sua mensagem. Nos capítulos três, quatro e cinco o autor demonstra como utilizar a apologética para provar a existência de Deus e a veracidade do evangelho. Já nos capítulos seis e sete é tratado o problema do mal. Frame usa a apologética para defesa da fé cristã. Por fim, nos capítulos oito e nove a apologética é empregada de maneira ofensiva, expondo os problemas das cosmovisões concorrentes. Diferente da apologética clássica, todas as abordagens do livro partem de um sistema de pensamento que pressupõe a existência de Deus e a veracidade das Escrituras. Assim, o livro se enquadra na escola de apologética pressuposicional.

Frame inicia o primeiro capítulo com o texto bíblico chave da apologética, 1 Pedro 3.15-16, e com base nesse texto ele a define como a disciplina que ensina os cristãos a dar uma razão para sua esperança. Então, dentro dessa definição, a apologética atua em dar base racional para a fé cristã (como prova), responder às objeções dos descrentes (como defesa) e apontar a tolice do pensamento do descrente (ofensiva). Na sequência, o autor critica a apologética clássica em sua busca de um território neutro para debater com o descrente e lança a base da apologética pressuposicional afirmando que tanto a apologética quanto o apologeta devem se sujeitar ao senhorio de Cristo. Assim, deve-se assumir que as Escrituras são a verdade, pois Deus é o critério da verdade e não poderia haver algo acima dele. A seguir, Frame declara que como consequência desse pressuposto o cristianismo tem suas próprias categorias de pensamento, uma epistemologia cristã. O Autor também argumenta que não há problemas nisso, pois todas as tradições de pensamentos possuem também epistemologias próprias com pressupostos próprios também. Frame, então, conclui o capítulo fazendo uma comparação da apologética com a pregação, onde ambas possuem o mesmo propósito, mas com perspectivas e ênfases diferentes. Assim sendo, defender a Bíblia é apresentá-la como ela é, contextualizando-a e corrigindo interpretações distorcidas pelo pecado.

No segundo capítulo o autor aborda o conteúdo da apologética, que de maneira resumida seria apresentar a totalidade das Escrituras no contexto do interlocutor. Ele apresenta o cristianismo de duas formas, como filosofia e como boas novas. Como filosofia o cristianismo é uma forma compreensiva do mundo, uma cosmovisão, e concorre com outras filosofias e religiões. A seguir, Frame lança os fundamentos metafísicos, epistemológicos e éticos para uma filosofia cristã. Dos fundamentos metafísicos vale ressaltar Deus como personalidade absoluta, explicando a origem da pessoalidade nas coisas; Deus como transcendente e imanente, estando além da criação, mas presente nela; Deus como soberano, governando a história e a natureza; e por fim, Deus trino, sendo personalista, autossuficiente e autoexistente. Na epistemologia e ética, o autor afirma que Deus é a origem da verdade, assim como o padrão para o bem e o mal. Já como boa nova, Frame finaliza o capítulo afirmando que o cristianismo fornece solução para nossa natureza caída: a graça de Deus.

Logo após, no capítulo três, o autor inicia o uso da apologética como prova, e nesse capítulo é discorrido qual é a natureza dessa prova. Frame inicia afirmando que a fé não é mero pensamento racional, mas também não é irracional. Baseado no texto bíblico em 1 Coríntios 15.1-11, o autor argumenta que a confiança na Palavra de Deus deve ser evidência suficiente, entretanto há também uso de provas, como o apelo às testemunhas para provar a ressurreição de Cristo. Mas, nas Escrituras, a prova é direcionada para o insensato e não para o sábio, e a fé infantil é algo a ser copiada pelos adultos. O autor argumenta isso, pois segundo ele, há muitas coisas que a própria Bíblia não se preocupa em provar, como a existências de Deus, ela simplesmente parte desse pressuposto com bastante obviedade. Por isso, Frame propõe o argumento transcendental, criado pelo filósofo iluminista Immanuel Kant e adaptado para o cristianismo pelo filósofo cristão Cornelius Van Til, onde se parte de um pressuposto, e então constrói o mundo a partir dele. O autor admite a fraqueza desse argumento ao necessitar de outros argumentos tradicionais para sustentar as premissas, assim como reconhece também que não há um argumento que prove a existência de Deus de forma definitiva. Assim, o autor conclui alegando que a apologética deve se deter à área de dificuldade de cada pessoa, e buscar um ponto de contato, que é o conhecimento de Deus suprimido.

Nos capítulos quatro e cinco o autor apresenta os principais argumentos a favor da existência de Deus e da veracidade do evangelho. Sobre a existência de Deus, Frame faz uma breve descrição dos argumentos tradicionais: argumento moral, argumento epistemológico, argumento teleológico, argumento cosmológico e argumento ontológico. O autor dá uma ênfase maior para o argumento moral. Ele argumenta que é impossível negar a existência de valores morais, e que uma estrutura impessoal jamais conseguiria criar tais obrigações, pois elas surgem de relacionamentos pessoais. Desse modo, valores absolutos só poderiam vir de uma personalidade absoluta, como o autor elencou no capítulo anterior. Já para provar a veracidade do evangelho, Frame afirma que não há outro concorrente com as Escrituras que se enquadre com o Deus apresentado nos argumentos dos dois capítulos anteriores, então a Bíblia tem que ser a revelação divina. Segundo ele, a Bíblia é o testemunho de Deus acerca dele mesmo. E a razão para crermos nisso é a unidade que ela apresenta, mesmo sendo escrita por diversos autores de diversas épocas em diversos contextos, mostrando a soberania de Deus na condução da história. O autor finaliza o capítulo argumentando sobre a confiabilidade da divindade de Jesus, ao se proclamar Deus, fazer os mesmos atos que Deus fez e ser exaltado de forma singular nas Escrituras, algo que não aconteceu com nenhum outro homem.

Mudando para a abordagem defensiva, nos capítulos seis e sete é tratado pelo autor o problema do mal. Frame inicia descrevendo o problema pela perspectiva filosófica, que conclui que se o mal existe, não pode haver um Deus todo-poderoso e todo-bondoso. Mas ele vai além, traz o problema do mal para a vida comum, quando questionamos Deus pelas tragédias que ocorrem em nossas vidas. O autor já deixa claro logo no início que não há uma resposta para todas as questões desse assunto, e durante o restante do capítulo seis ele contra-argumenta diversas abordagens que tentam solucionar o problema do mal, mas que não se baseiam nas Escrituras. No capítulo sete Frame apresenta o que as Escrituras afirmam sobre o problema do mal. Ele inicia argumentando que as Escrituras não nos dizem que Deus nos deve explicações sobre suas ações, não temos o direito de nos queixar contra Deus e sua sabedoria não pode ser questionada. Mas ele alega também que isso não faz Deus injusto, pelo contrário, Ele é santo, justo e bom, e temos razões para confiar nele. Frame lança um olhar para o passado, presente e futuro para apresentar as razões para confiar em Deus, mesmo não tendo respostas para o problema do mal. No passado, Deus resolveu a tensão entre e a justiça e bondade por meio do sacrifício de Jesus de uma forma inesperada, então podemos confiar que ele fará isso novamente. Na abordagem do presente, o autor afirma que embora Deus busque o bem da criação, seu propósito não é a felicidade do homem e sim glorificar a si mesmo. Sendo assim, Deus usa do mal para atingir bens maiores, como demonstração de graça e justiça, confrontar valores, disciplina paterna dos crentes, julgamento do mal, entre outros. Por fim, no olhar para o futuro Frame ressalta a promessa de Deus, em que no futuro não haverá mais pecado e sofrimento. Quando chegar esse momento, o problema do mal não existirá mais.

Para concluir o livro, o autor faz uma breve abordagem da apologética ofensiva nos capítulos oito e nove. Ele inicia o capítulo classificando as cosmovisões não-cristãs como sabedoria convencional, e afirma que ela não faz jus aos valores de personalidade absoluta, e por isso não responde à confiabilidade da razão. No fim ela acaba levando ao ateísmo ou a idolatria, embora ambos se misturem. Como ateísmo, Frame distingue o teórico, que nega a Deus, do prático, que vive como se Deus não existisse. Já idolatria, ele define como prestar fidelidade última a algum ser além de Deus, se aplicando a deuses primitivos, princípios abstratos, religiões não cristãs, entre outros. O autor finaliza o capítulo oito argumentando como o ateísmo e a idolatria se dependem mutuamente, o primeiro para se rebelar contra Deus e a segunda para encontrar algo para colocar no lugar de Deus. No capítulo nove, Frame criou um diálogo fictício onde um cristão e um agnóstico discutem sobre a existência de Deus, e de maneira geral os principais argumentos do livro embasam a apologética do cristão, apresentando um exemplo de como a apologética deve ser realizada.

Como introdução, apologética para a glória de Deus é um livro que cumpre bem o objetivo de apresentar um panorama da apologética reformada. Os assuntos são bem divididos e distribuídos, todos eles são abordados de maneira equilibrada e honesta. O autor reconhece as fraquezas e os limites de cada argumento. É bastante fiel aos princípios que propõe em suas bases. Todo raciocínio exposto no livro parte das Escrituras ou então as utiliza como orientadora, respeitando o princípio da sola Scriptura. Entretanto, a leitura não é tão fácil, em muitos momentos é densa e enfadonha, não sei se isso se deve à tradução ou ao próprio livro. A linguagem não é tão acessível também, é necessária uma boa familiaridade do leitor com termos filosóficos e teológicos. Então, mesmo sendo uma introdução, não é recomendado para um leitor totalmente leigo. Concluindo, apologética para glória de Deus é como uma pedra bruta a ser minerada, necessita de um trabalho árduo, pode gerar calos nas mãos, mas no final o esforço é compensado.